O presidente do TJD, Marcelo Jucá, negou o pedido da procuradoria do Tribunal para que o atacante Rildo, do Vasco, fosse suspenso preventivamente por causa da falta que causou a lesão no meia João Paulo, do Botafogo, no clássico do último domingo, no Engenhão.

Em seu despacho, Jucá reconheceu que “a entrada foi extremamente desproporcional e desleal”. Mas, ao mesmo tempo, pontuou que o “órgão judicante não pode proferir nenhuma decisão que caracterize uma condenação sumária”.

João Paulo fraturou a perna direita em duas partes, após uma dividida com Rildo. O lance aconteceu aos dois minutos do clássico deste domingo entre Vasco e Botafogo. O meia alvinegro vai ficar pelo menos seis meses sem poder jogar futebol.

A Comissão de Arbitragem da Federação de Futebol do Rio de Janeiro (Coaf-RJ) analisou as imagens e, em comunicado oficial, alegou que o árbitro Leonardo Cavaleiro deveria expulsar Rildo, mas descartou a possibilidade de suspensão da autoridade. A postura causou revolta no Botafogo. Já o Vasco saiu em defesa de seu atleta. Os dois clubes voltam a se enfrentar nesta quarta-feira, no estádio Nilton Santos, pelas semifinais da Taça Rio. O Cruzmaltino tem a vantagem do empate.

Fonte: O Dia Online