Usamos cookies para anúncios e para melhorar sua experiência. Ao continuar no site você concorda com a Política de Privacidade.

Jogos

Série B

20/06/21 às 16:00 - Aflitos

Escudo Náutico
NAU

X

Escudo Botafogo
BOT

Série B

17/06/21 às 19:00 - Do Café

Escudo Londrina
LON

2

X

2

Escudo Botafogo
BOT
Ler a crônica

Série B

13/06/21 às 16:00 - Raulino de Oliveira

Escudo Botafogo
BOT

3

X

0

Escudo Remo
REM
Ler a crônica

Procuradoria do TJDA vê ‘quase incentivo’ ao doping no Campeonato Carioca sem exames

0 comentários

Por FogãoNET

Compartilhe

Troféu/Taça do Campeonato Carioca de 2019
Úrsula Nery/FERJ

Para voltar a realizar partidas do Campeonato Carioca, a Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (Ferj) apresentou um protocolo que prevê que jogadores e comissão técnica dos clubes sejam testados diversas vezes para Covid-19. Mas o protocolo “Jogo Seguro” mais do que não prever testes antidoping deixa claro que a competição não terá controle de substâncias proibidas.

Em ofício enviado às principais autoridades de controle ao doping no país, a procuradoria-geral da Justiça Desportiva Antidopagem (equivalente ao ministério público) fez um alerta: “O futebol não faz exame fora de competição com frequência ou tradicionalmente, então o panorama é de quase ‘incentivo’ a dopagem, porquanto sem controle e outras competições no período, portanto sem nenhuma fiscalização no contexto da pandemia.”

O documento, obtido pelo blog, foi remetido à secretária da Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem (ABCD) Luisa Parente, com cópia para a dpresidente do Tribunal de Justiça Desportiva Antidopagem Tatiana Mesquita Nunes e ao presidente do STJD do Futebol, Paulo Salomão Filho, e cobra explicações do órgão governamental sobre as medidas tomadas.

“Requeremos informações sobre o plano de controle de dopagem durante a pandemia e, especificamente, quanto ao Campeonato Carioca 2020 na sua retomada diante desse protocolo de determinação de ausência de testes antidopagem, e as eventuais providências desta renomada autoridade no contexto acima descrito”, diz a procuradoria, hoje comandada pelo advogado Paulo Schmitt.

Quando procurada pela reportagem para comentar o protocolo, a ABCD disse que seguiria as diretrizes instituídas pela Wada em decorrência da pandemia de Covid-19. “É importante lembrar que a decisão sobre realização de testes ou não, em competições esportivas nacionais ou mesmo fora de competição, é exclusiva da ABCD”, disse a entidade, em nota.

O que diz o Jogo Seguro

O item 10 do protocolo para a volta do Carioca diz que: “Durante o Protocolo de ‘Jogo Seguro’, não haverá solicitação de coleta de material para testagem de doping”. A regra vai de encontro do que diz o Regulamento Geral das Competições da entidade para o ano de 2020: “Todo jogador poderá ser submetido a controles em competição, em qualquer jogo em que compita, mesmo que relacionado como reserva, não podendo afastar-se do estádio antes do fim da realização do exame. O atleta poderá também ser submetido a controles fora de competição, em qualquer momento e lugar, sem necessidade de aviso prévio por parte desta comissão”, diz o regulamento.

Hoje, a decisão sobre a realização de exames passa mais pelos clubes. Há coleta quando o mandante ou o visitante solicitam o exame para ambos, arcando com os custos. Só o Flamengo vinha adotando essa prática. Pedidos por parte da Comissão Estadual de Controle de Dopagem são raros.

Procurada pela reportagem, a Ferj não respondeu sobre sua nova medida até a publicação deste texto.

Fonte: Olhar Olímpico - UOL

Notícias relacionadas
Comentários