Após a China, o Botafogo mira um novo mercado para expandir sua marca no exterior: os Estados Unidos. O clube fechou um acordo, a partir de um convite, para disputar um torneio na Flórida e, desta forma, criou um projeto para atrair jogadores com o intuito de representar o clube na terra do Tio Sam. Ao mesmo tempo, os dirigentes do clube esperam atrair patrocinadores e novas parcerias com a aparição em um mercado futebolístico em evidência.

A diretoria lançou a “Botafogo Academy”, um projeto que vai selecionar jovens entre 8 e 19 anos, em seletivas realizadas no Caio Martins, em Niterói, no dia 22 de setembro, e em Brasília, uma semana depois. Os atletas selecionados vão viajar para os Estados Unidos – cobrindo os próprios custos – e representar a equipe do Botafogo em torneios no exterior – o roteiro pode ser visto no site do projeto. Ao LANCE!, Narciso Cardoso, diretor de desenvolvimento esportivo e responsável, explicou o processo.

– É um projeto que o Botafogo já teve a experiência de fazer, lá por 2010. Estamos retomando esse ano junto com outras propostas. A atual gestão quer internacionalizar a marca Botafogo. A divisão de base já fez um torneio na China e agora buscamos outro mercado ativo, os Estados Unidos. As universidades de lá sempre atraem muitos brasileiros, tanto para estudar quanto para praticar esportes. Sempre tem muitos brasileiros jogando futebol. É isso que estamos associando: expandir a marca Botafogo e, ao mesmo tempo, levar jogadores um torneio na Florida. É um campeonato de grande repercussão – afirmou.

De acordo com o clube, o investimento ao jogador que estiver interessado vai variar entre U$2500 e U$4000 (R$10.275,50 e R$16.440,80, com a conversão atual). Inicialmente, o clube não teria nenhum tipo de custo, já que as questões logísticas seriam pagas pela organização. Depois do time sub-12 do Botafogo participar de um torneio na China, Narciso Cardoso explica qual é a intenção do Glorioso nessas competições. Além dele, Ricardo Perlingeiro, coordenador da base, é o outro responsável pelo projeto.

– A gente percebe que outras instituições esportivas, principalmente na Europa, estão à frente de nós. Colocam academias na Ásia e em outros lugares, alguns clubes da Inglaterra compraram clubes nos Estados Unidos. Nós buscamos um mercado internacional para o Botafogo. Desta forma, fica mais fácil atrair investidores e novos patrocinadores. Amplia o nosso horizonte – analisou.

– As propostas surgiram e facilitou essa internacionalização. A da China e de empresas no mercado americano. É um caminho que vai levar ao sucesso. O clube consegue expandir a marca nesses mercados – completou o dirigente.

Até agora, o Botafogo recebeu cerca de 100 inscrições, contando as seletivas no Rio de Janeiro e em Brasília. Narciso traça um número ideal dos jogadores que estão elenco. É importante frisar que, apesar de ser uma equipe montada de forma exclusiva para a competição, mas o clube pode aproveitar algum atleta para as categorias de base caso o mesmo se destaque nos Estados Unidos.

– Há uma expectativa de atingir um número mínimo de inscrições, está chegando perto. Quem tiver interesse tem que correr, porque várias pessoas estão interessadas. O ideal é que seria 40, 50 pessoas para disputar o torneio. Mas isso pode sempre ser ampliado, depende das nossas reuniões. Achamos que isso vai ser possível, apesar da questão do dólar – frisou.

O Botafogo enxerga mais uma oportunidade de valorizar a própria marca em um mercado em plena ascensão no futebol, mas que ainda possui dificuldades para evoluir em tal – apesar da melhora exponencial dos Estados Unidos na modalidade nos últimos anos.

– As pessoas (jogadores) se patrocinam. O Botafogo não tem nenhum custo e a perspectiva futuro é de ter alguma renda. Estamos negociando, ainda não tem nada definido. O clube ganha com a projeção da marca – finalizou.

Fonte: Lance!