Se o Botafogo tivesse sido Botafogo contra o Barcelona, que não é Barcelona, poderia vencer em casa e garantir a classificação para as oitavas-de-final. É injusto dizer isto e cobrar que Jair Ventura tivesse esperado mais no campo de defesa. Todo mundo queria ver o Botafogo atacando o Barcelona.

Talvez não houvesse mesmo outra alternativa, porque o Barcelona, que não é Barcelona, ia esperar. Não atacar, marcar por pressão, inverter o lado da jogada… Nada disso.

O Barcelona esperou, o Botafogo trocou passes, mas não é um time criativo. É reativo, para usar a palavra da moda. ”Eles são rápidos e jogam melhor fora de casa”, disse Camilo depois da derrota. ”A escalação com três atacantes não mudou nossa identidade, porque eu e o Guilherme sempre voltamos para marcar”, disse Pimpão. Ele está certo. Talvez o que tenha mudado a identidade tenha sido a vontade de atacar rápido demais.

Pois Ayoví fez questão de confirmar a visão de Camilo nos primeiros vinte minutos, marcou um gol e participou de outro. O segundo foi falha da saída de bola, finalizada pela saída equivocada de Gatito Fernández.

A frustração de 34 mil torcedores. Não se chegou aos 40 mil desejados. Importante no mínimo manter este número de torcedores na próxima rodada, contra o Atlético Nacional. Para vencer e confirmar a classificação para as oitavas-de-final.

Fonte: Blog do PVC - UOL