​Destaque na equipe Sub-20 do Botafogo na temporada passada, Renan Gorne foi promovido aos profissionais com status de artilheiro. Porém, o atacante não recebeu muitas oportunidades com Jair Ventura e entrou em campo apenas uma vez em 2017: durante 12 minutos, no dia 11/06, diante do Coritiba, pelo Campeonato Brasileiro (relacionado para cinco jogos apenas este ano).

Na ocasião, o jogador comemorou o fato de ter ido para a partida. Sem oportunidades com Jair Ventura e com sede de jogar futebol, Renan Gorne optou por buscar oportunidade fora do país. Destino? North Carolina, dos Estados Unidos. O jogador foi emprestado à equipe americana até o fim do ano.

Antes de embarcar para os Estados Unidos (viaja nesta terça-feira (25) à noite), o atacante concedeu entrevista exclusiva para o Esporte Interativo. Entre os assuntos abordados, Renan Gorne falou sobre a relação com Jair Ventura, disse não ter mágoa com a comissão técnica, garantiu querer voltar para o Botafogo no ano que vem e aproveitou para mandar um recado aos alvinegros.

Hoje (segunda-feira) foi o seu último dia de treinamento no Botafogo. Como foi essa conversa com Jair Ventura e jogadores?

“Fui lá falar com a galera. Treinei rápido. Me despedi dos companheiros, viajo amanhã e só volto em novembro. Falei com ele (Jair Ventura). Agradeci por tudo que eles fizeram por mim. Foi um grande aprendizado. E disse a eles que espero aproveitar essa oportunidade da melhor maneira possível. Foi muito legal o papo. Me desejaram boa sorte. Foi um papo divertido”.

Jair Ventura disse que você não estava tendo oportunidades pelo desempenho nos treinamentos. Concorda com ele?

“O professor Jair tem as virtudes e opiniões dele. Eu respeito. Se ele pensa isso, eu preciso continuar trabalhando para mostrar que posso ajudar e tenho condições de jogar. Ele tem a opinião dele e respeito muito. Ele sabe o que está fazendo, e o Botafogo está muito bem na temporada mesmo com o orçamento apertado. Eu respeito muito o Jair Ventura. Cabe a mim mostrar que posso ser útil. Como eu quero voltar e jogar ano que vem, vou correr atrás para isso”.

Tem alguma mágoa com a comissão técnica?

“Não. Nenhuma. Muito pelo contrário. Tenho uma gratidão por tudo que eles fizeram por mim. Eu aprendi muito nesse período com eles (comissão técnica). Como eu disse: ano que vem quero estar de voltar para ajudar de qualquer forma. Agradeço muito a eles pelo carinho que recebi nesse período”.

Se você pudesse escolher entre continuar no Botafogo para jogar aqui ou ir para os Estados Unidos. O que optaria?

“Gostaria de poder estar jogando aqui até o fim do ano, mas as coisas não aconteceram nesse momento para mim e não posso ficar sem jogar. Foi decidido que eu aproveitasse essa oportunidade. Mas se pudesse, eu escolheria ficar aqui jogando. Infelizmente não vai ser assim. Então vida que segue. Vida nova. Ares novos. E vamos com tudo”.

Está animado com a oportunidade de jogar nos Estados Unidos?

“Muito feliz. Os Estados Unidos é um país desenvolvido e com qualidade de vida alta. Estou feliz demais com essa oportunidade. Acredito que vou crescer não só profissionalmente, mas também pessoalmente. Eu já fui para os Estados Unidos algumas vezes. Tenho alguns amigos lá. Conheço o Gaúcho (treinador do United Academy). Já peguei algumas dicas sim e acredito que vão me ajudar bastante”.

Você faz faculdade de Educação Física aqui no Brasil. Vai continuar estudando nos Estados Unidos?

“Não. Tranquei a faculdade por conta da viagem. Vou focar 100% no futebol. Não que o estudo atrapalhe, mas nesses cinco meses quero focar muito no futebol. Quero aproveitar da melhor forma”.

Qual vai ser a sua maior dificuldade nos Estados Unidos?

“Como já fui para lá algumas vezes, sei como funcionam as coisas. Acho que a parte mais difícil vai ser organizar a casa que vou ficar. Vou ficar sozinho lá. Vou precisar cozinhar, arrumar a casa…Vou ser dono de casa (risos)”.

Acha que você vai voltar em 2018 mais forte para jogar pelo Botafogo?

“Acredito que sim. Esse é o propósito da viagem: que eu jogue, que eu evolua e ganhe rodagem de jogo. Espero que essa experiência seja boa para que eu volte ano que vem para ajudar o Botafogo”.

Ontem (domingo) você postou foto com a sua família. Rolou alguma despedida com eles?

“Foi muito bom. Todos estão felizes comigo. Isso é um sonho que está sendo realizado. Não só meu, mas também da família toda. Todos estão me apoiando. É um momento especial para mim e para eles. A gente fez um churrasco aqui em casa e comemoramos esse momento especial. Muito bom compartilhar esse momento com eles. Espero quando voltar, que eu tenha outro churrasco para comemorar o meu retorno também (risos)”.

Quer deixar alguma mensagem para a torcida do Botafogo?

“Queria agradecer todo o carinho e apoio. Desde o ano passado, que foi maravilhoso, até esse momento da minha ida aos Estados Unidos, recebi muita mensagem. Tentei responder a todos, mas não consegui. Agora é dar sequência ao trabalho que fiz na base. Onde eu cresci como pessoa e como profissional no futebol. Vou fazer de tudo para que eu possa evoluir lá fora para voltar e dar muita alegria para essa torcida maravilhosa”.

Fonte: Esporte Interativo