Neste fim de semana, Renan Gorne inicia oficialmente a sua terceira passagem emprestado pelo Botafogo. Se no profissional do Alvinegro só teve uma chance (em junho de 2017), o atacante, aos 22 anos, busca os holofotes com a camisa do Volta Redonda. E a confiança para iniciar já surpreendendo no Campeonato Carioca, diante do Fluminense, se faz presente.

– Vou me doar ao máximo como sempre fiz pra tentar fazer gol a cada partida que jogar. Temos um time qualificado, no decorrer dos amistosos na pré-temporada tivemos uma boa evolução e vejo o time preparado para o primeiro desafio contra o Fluminense – disse Gorne, em entrevista ao LANCE!.

Para a posição de centroavante, o Botafogo optou por não renovar com Brenner e, sem conseguir recrutar alvos desejados, como Tréllez e Leandro Pereira, só conta com Kieza, Igor Cássio e Aguirre. Gorne poderia ter mais espaço por lá, mas não ficou nos planos de Zé Ricardo. Sobrou mágoa?

– Desde que o Zé chegou ao clube não tive a oportunidade de conversar com ele. Eles tiveram a escolha deles. Estou feliz e muito motivado em poder jogar o Carioca. Agradeço muito ao Volta Redonda pela oportunidade – comentou o jovem, sem querer entrar em polêmicas.

O último empréstimo de Renan Gorne havia sido ao Paysandu. No Papão, desde o início de 2018, teve pouco brilho em dez jogos – quando marcou um gol e levantou o caneco da Copa Verde.

Campeão brasileiro sub-20 pelo Botafogo, Gorne retornou ainda no fim do ano passado e chegou a disputar o Torneio OPG (sub-20) pelo Glorioso. Como um dos inscritos acima de 20 anos, marcou quatro gols em seis jogos realizados.  Agora, terá nova oportunidade para provar o seu potencial de goleador.

BATE-BOLA COM RENAN GORNE

Como está a adaptação nesta pré-temporada pelo Volta Redonda? Conhecer jogadores que já atuaram com você facilitou?
Muito boa. Venho evoluindo a cada semana e cada vez mais adaptado ao clube. E com certeza ajuda. Aqui estou com o Mauro Gabriel novamente que sempre atuou comigo na base, desde os 11 anos. Ajuda pra poder entrosar com a galera.

Já é o seu terceiro empréstimo pelo Botafogo. O que muda do atual Renan Gorne para o que saiu para os EUA, em 2017?
Acredito que a mudança que teve foi o nível de experiência. Quando fui pra lá seria algo completamente novo. Eu nunca havia saído do Botafogo, cresci como pessoa morando nos EUA e quando fui para o Paysandu. A experiência de vestiário, de campo e de vida também.

Ainda almeja brilhar com a camisa do Botafogo?
Por que não? Botafogo é um grande do Brasil, tem sua história gigantesca, de craques e a torcida que sempre foi muito aficionada, apaixonada pelo clube, agradeço a eles o apoio que sempre me deram. Mas hoje meu foco está voltado aqui no Voltaço.

Fonte: Terra