A primeira vaga na decisão para a final do Campeonato Carioca foi decidida nos pênaltis, sábado (18), no Estádio Nilton Santos. O Botafogo derrotou o Fluminense por 2 a 1, mas como na primeira partida da semifinal, o time Tricolor venceu também por 2 a 1, a partida foi para as penalidades. Após 22 cobranças de pênaltis, 11 para cada lado, a equipe alvinegra deixou o estádio comemorando.

O goleiro Renan, herói do jogo, defendeu duas cobranças e acertou a última, dando a vaga para o Botafogo. O jogador concedeu entrevista exclusiva para a reportagem da Super Rádio Tupi e falou como foi a classificação para ele especialmente.

“Agora, com mais calma, começo a rever os lances, vai caindo a ficha. Logo depois do que aconteceu a gente não entende muito, mas estou muito feliz da forma que foi, inesperada, eu tendo que bater pênalti também. Estou bastante feliz de poder ter ajudado o Botafogo. Defendi duas penalidades e acertei a última cobrança de pênalti.”

Após o clássico, Renan afirmou que nunca tinha batido pênalti. O atleta afirmou que é bem mais fácil defender, do que ter que cobrar penalidade.

“Na minha opinião é mais fácil defender, pois quando tem disputa a gente treina muito defender pênalti e nunca bater. Foi a primeira vez que cobrei um pênalti, ainda mais em um clássico, em uma semifinal. Fui feliz na cobrança, foi tudo perfeito.”
Confira na íntegra:

Defesa dos pênaltis de Gerson e Kenedy

“Conhecia alguns, não tinha visto o Gerson e o Kenedy. O que eu vi foi o Jean, que na hora trocou o canto. Pelo fato de eu ter esperado até o último minuto, isso me ajudou a defender os dois pênaltis. Graças a Deus eu consegui acertar o canto, e o mais importante esperar a batida.”

Batida do Diego Cavalieri

“Quando ele bateu, me deu uma certa tranquilidade, tinha que só acalmar e acertar a cobrança. Procurei me equilibrar, consegui pegar bem na bola e acertar, coisa que o Diego Cavalieri não conseguiu, infelizmente para eles. Nesse caso, alguém tinha que sair vencedor, Graças a Deus foi o Botafogo.”

Jefferson parabenizando a vaga para final

“Falei com Jefferson, mandou mensagem, deu os parabéns, para todo o grupo e depois comigo em particular. Ele comemorou muito essa vaga na final. Fico triste pelo momento dele, de recuperação da cirurgia no joelho, mas na ausência dele estou procurando fazer o meu melhor e ajudar o time. Graças a Deus está dando certo. Espero que ele volte logo, e que possa estar voltando a fazer o que gosta, assim como eu.”

Ano de 2015

“Esse ano de 2015 está sendo maravilhoso, me sinto muito motivado, feliz, querendo ajudar o time em todas as oportunidades que eu tiver. Até o momento estou conseguindo fazer bons jogos, espero manter isso até o final do ano.”

Reserva de Castillo em 2008

“São coisas da vida que acontecem. Em 2008, Deus colocou em minhas mãos essa responsabilidade, procurei fazer o meu melhor, não conquistamos o título, mas a experiência foi ótima para mim. Com certeza me sinto mais maduro atualmente, espero que o final seja diferente, independente se for Vasco ou Flamengo, espero que seja um final feliz para o Botafogo.”

Como é ser reserva de Jefferson, goleiro de Seleção

“É muito bom para mim, observo muito. Treinando com o Jefferson aprendo bastante, procuro pegar muitas coisas boas dele. Espero aproveitar cada oportunidade que eu tiver, quero estar preparado, para poder jogar e ajudar o time.”

Melhor goleiro do Rio

“Não sei dizer o melhor, vejo que têm uns muito bons, como o Paulo Victor e o próprio Cavalieri. Lógico, com Jefferson fora não tem como estar disputando isso. Acredito que os quatro goleiros dos grandes do Rio estão muito

Sonho na carreira

“Penso em crescer, evoluir mais. Tenho 25 anos, acredito que tenho bastante tempo para jogar e evoluir. Quero procurar melhorar sempre, corrigir meus erros, quem sabe no futuro chegar em uma Seleção Brasileira. Gosto de sonhar grande, tenho isso como meta, vamos ver se eu consigo chegar.”

Fonte: Site da Rádio Tupi