O meia Diego Jardel não gostou de ter sido substituído pelo técnico René Simões ainda no primeiro tempo da vitória por 1 a 0 sobre o Flamengo. O camisa 10 demonstrou insatisfação ao ser substituído por Sassá. O técnico alvinegro foi direto na ferida e não economizou nas palavras para acabar com qualquer foco de problema no vestiário do Botafogo.

“Trabalho pensando no grupo e não pensando nas individualidades. Se o Jardel gostou ou não gostou, o problema é dele. No time, mando eu. Quando coloco, não dou satisfação. E ele já ouviu isso no vestiário. A imprensa tem que bater neste fato negativo. Não podemos dar moral para quem sai aborrecido. Saiu assim, vai trabalhar para voltar melhor”, avisou o treinador.

Antes do campeonato, o Botafogo era apontado como a quarta força na competição. Esta análise não mexeu negativamente com René, que concordou e olhou para frente em busca de novos resultados que possam manter o time na liderança – e na permanência, como consequência, no G-4.

“Quem fez esta avaliação no início fez de forma correta. Flamengo e Fluminense eram os favoritos, e o Vasco vinha atrás, com o Botafogo sendo a quarta força. O anormal foi a forma rápida com que o time encaixou em tão pouco tempo. Eles acreditaram no que passamos para eles, mas o campeonato não acabou”, alertou o treinador alvinegro.

Mesmo com a vitória e a liderança do Estadual, René tem um dever de casa: assistir à partida contra o Flamengo para enxergar os pontos positivos e negativos do clássico. “Foco sempre na solução, nunca no problema. Jogamos contra um adversário que é favorito ao título. Foi um duelo tático muito interessante, mas quero ver o jogo de forma mais tranquila, com a cabeça mais fria, sem adrenalina, para analisar tudo”, destacou o comandante alvinegro.

Fonte: Terra