Um dos responsáveis pela recuperação de Jobson no Botafogo, o técnico René Simões falou com mais calma sobre a reação do jogador a punição de quatro anos imposta pela Fifa pela recusa de um exame antidoping na época em que o atacante atuava na Arábia Saudita. Além de tratar diretamente com o atleta, reuniu decidiu colocar um homem de confiança ao lado do camisa 7 e confessou temer recaída.

– Tememos a recaída dele todos os dias. Nessa situação, a gente não pode ter certeza. A gente teme essa situação e agora não poderia ser diferente – disse René, que completou:

– Coloquei o Paulo para ficar ao lado do Jobson nas próximas horas. O Paulo faz um trabalho de ‘coaching’ motivacional e tem sido muito importante nessa nossa trajetória. Para termos uma tranquilidade, o Paulo vai trabalhar até amanhã (sábado) para que ele aceite melhor essa situação.

René aproveitou para dar mais detalhes do o motivo pelo qual Jobson rejeitou fazer o exame antidoping Al-Ittihad, da Arábia Saudita, em 2013. Segundo o treinador, seu atacante tinha medo de adulterarem um possível exame.

– Eu queria me inteirar e ter algumas informações dos nossos advogados para saber os próximos passos. Tive a preocupação de mandá-lo para casa. Antes tive uma conversa longa com ele. Perguntei o que aconteceu. Ele me contou e eu conheço bem o mundo Árabe. De repente, quiseram fazer um exame antidoping nele. Não existem drogas lá. Ele estava com um intérprete que não entendeu bem o que foi pedido e ele ficou com medo. Ele ficou com medo de colocarem algo no exame dele. Estava com medo pois deviam a ele. Palavras dele – explicou René.

Fonte: Extra Online