Sabe aquele Botafogo que fez bonito sob o comando de Jair Ventura no último Brasileirão? Mudou quase todo. Duas vezes.

Após surpreender com uma inesperada classificação para a Libertadores em 2016, a diretoria não conseguiu segurar alguns atletas e realizou uma renovação no elenco. O time reagiu bem e manteve o nível satisfatório em 2017. Agora, com as competições em andamento, o clube passa por uma segunda reformulação. Nesta quarta, testa mais uma vez essa realidade contra o Atlético-PR, fora de casa.

Presente nas oitavas da Libertadores, nas quartas da Copa do Brasil e em sexto no Campeonato Brasileiro. Nem parece que Sidão, Luis Ricardo, Diogo Barbosa e Neílton, bases do time titular em 2016, deixaram o clube ou não puderam atuar por lesão, caso do lateral direito. Se na virada do ano três atletas deixaram o clube, nesse meio de temporada outros três importantes jogadores já saíram: Sassá, Montillo e Camilo.

“A gente só perde. São dois jogadores que fazem falta, mas por motivos diferentes não estão mais conosco. Nos ajudaram muito, vão fazer falta, mas não fazem mais parte. Cabe à nossa comissão jogar de maneira diferente sem os dois. Vida do treinador é dinâmica. A gente está sempre vendo o mercado. O Atlético-PR perdeu vários jogadores, o Flamengo e Palmeiras já têm jogadores chegando… Cada um com seus problemas. Bola para frente”, disse Jair Ventura.

Por outro lado, o Botafogo teve de se reforçar. Chegaram Marcos Vinicius, Leo Valencia e Brenner. Isso sem contar com o retorno de peças fundamentais que estavam no departamento médico por longo tempo, casos de Luis Ricardo e Jefferson.

Um exemplo claro dessa reformulação é o time que venceu o Colo-Colo-CHI, no começo do ano, em relação ao último que bateu o Sport, ambos no Nilton Santos (Engenhão). Apenas Victor Luis, Rodrigo Pimpão e Roger estavam nos dois times titulares.

Gatito está lesionado e ainda não sabe se perderá vaga para Jefferson; Jonas, Bruno Silva e Airton estão lesionados; Marcelo e Emerson Silva viraram reservas; Montillo e Camilo já deixaram o clube.

Figuras novas como Arnaldo, Rabello, Matheus Fernandes, João Paulo e Marcos Vinícius agora são considerados titulares. Uma segunda reformulação, portanto, que terá de provar nos momentos decisivos que tem condição de manter o nível de desempenho e resultados.

Fonte: UOL