Um parecer apresentado pela comissão fiscal do São Paulo aos conselheiros constatou que o clube gastou R$ 13,4 milhões na contratação de Diego Souza, do Sport, em janeiro do ano passado, ou seja, R$ 3,4 milhões a mais do que divulgado na época. O assunto foi tema da reunião do conselho deliberativo, na noite de terça-feira, no Morumbi.

A informação foi publicada pelo UOL e confirmada pela reportagem da ESPN com presentes.

Os valores da negociação foram divididos da seguinte forma: R$ 10 milhões pela compra, R$ 1 milhão de luvas (premiação pela assinatura do contrato), R$ 1 milhão pelo contrato de imagem e R$ 1,460 milhão de comissão aos agentes Fabio Mello e Brasil Soccer. Portanto, R$ 13,4 milhões de gastos.

Os conselheiros cobraram uma resposta do presidente Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, que buscou justificar o valor final como “questões de mercado”. Diante da indagação dos conselheiros, o mandatário anunciou a criação de uma comissão de conselheiros para acompanhar negócios executados pelo futebol profissional.

Os presentes relataram para a reportagem que os nomes foram escolhidos no mesmo instante. Leco nomeou José Carlos Ferreira Alves, Jaime Franco e Kalef João Francisco. Apenas o primeiro estava no local.

Segundo a diretoria, o parecer da comissão fiscal não demorou mais do que cinco minutos para ser lido. Logo após ele ter sido apresentado, Leco tomou a palavra e prestou explicações, além de sugerir a criação da comissão citada acima. Ainda de acordo com esta versão não houve novas contestações e a decisão foi bem aceita.

A diretoria também afirma que Diego Souza chegou a abrir mão de receber R$ 1 milhão referente a luvas, então o valor final na verdade não chegou a ser R$ 13,4 milhões.

Outras testemunhas no encontro tiveram uma visão diferente. Afirmaram para a reportagem que a decisão não acalmou o ambiente. Gerou novos questionamentos. Por exemplo, por que os três nomes foram escolhidos e não se buscou uma decisão mais democrática, com os próprios conselheiros participando.

Alguns conselheiros teriam insistido na questão Diego Souza e pedido explicações também sobre a saída dele, alegando que a negociação com o Botafogo foi ruim para o São Paulo.

Na última sexta, ficou acertado o empréstimo dele ao Botafogo até o final do ano. O clube carioca não teve custos de transferência, embora arcará com a totalidade dos vencimentos do jogador.

A agremiação do Morumbi teve como contrapartida a preferência na compra do meia Luiz Fernando, 22, destaque do time carioca, e uma cláusula de renovação automática de contrato com Diego Souza –o vínculo dele encerrará em dezembro. Além de uma multa de 1,5 milhão de dólares (cerca de R$ 5,7 milhões) em caso de venda.

Fonte: ESPN.com.br