Vagner Mancini vive a situação mais complicada de sua carreira. Sem receber salários há cinco meses, tem que motivar os atletas do Botafogo, que também vivem a incômoda situação, a buscarem forças para salvar o time do rebaixamento para a Série B do Campeonato Brasileiro. Depois da derrota em casa para o Atlético-PR e restando cinco rodadas para o término da competição, o treinador tem sua tática: apostar em atletas que estejam comprometidos com o futuro do clube.

“Tem que colocar agora aqueles que vão sentir algum tipo de consequência. É óbvio que eu tenho 20 e tantos jogadores e uns vão sentir mais que os outros. Então esses que vão sentir serão os que tem que entrar em campo, que sabem que no ano que vem vão ter que vestir a camisa do Botafogo novamente”, falou Mancini.

“Aquele jogador que é formado no clube tem uma identificação maior. Agora, às vezes esse que tem isso tecnicamente hoje não está bem. E você tem que fazer uma omelete com os ovos que tem”, prosseguiu o treinador.

O Botafogo tem 33 pontos conquistados e está a 36 da Chapecoense, primeira equipe fora da zona da degola. Situação que reflete os problemas administrativos: a diretoria afastou jogadores importantes por indisciplina e sofre a ameaça de perder seis pontos na tabela por causa de uma dívida de R$ 800 mil com o Vitória referente à venda de Elkeson para o Guangzhou Evergrande em 2012. Os salários atrasados são aí uma espécie de cereja do bolo – no aspecto negativo, claro.

“Atraso de salário, a gente está convivendo com isso há seis meses. Então você está há seis meses desgastado, emocionalmente perturbado. O cara tem que pagar uma conta e não tem dinheiro. Isso daí para um pai de família não há nada pior”, disse o técnico.

“Por mais que o cara queira, ele ao longo da semana convive com notícias negativas e chega no sábado, domingo, tem que render o esperado. Isso é humanamente impossível. O que jogadores do Botafogo têm feito em campo é digno de serem aplaudidos todos os dias. Porque a dificuldade de conviver com isso por seis meses é enorme”, completou Mancini.

O treinador, nesses tempos de crise financeira, chegou a pagar do próprio bolso cestas básicas para alguns funcionários do clube. O Botafogo volta a campo no próximo sábado em clássico contra o Fluminense, no Maracanã.

Fonte: iG