Usamos cookies para anúncios e para melhorar sua experiência. Ao continuar no site você concorda com a Política de Privacidade.

Jogos

Taça Rio

09/05/21 às 18:00 - Nilton Santos

Escudo Nova Iguaçu
NOV

X

Escudo Botafogo
BOT

Carioca

02/05/21 às 18:00 - Nilton Santos

Escudo Botafogo
BOT

0

X

0

Escudo Nova Iguaçu
NOV

Carioca

25/04/21 às 18:00 - Nilton Santos

Escudo Botafogo
BOT

4

X

0

Escudo Macaé
MAC

Sassá retorna a Recife, cidade que alavancou sua carreira: ‘Me sinto em casa aqui’

0 comentários

Por FogãoNET

Compartilhe

O Botafogo vai enfrentar nesta quarta-feira, às 21h45m, o Santa Cruz, no Arruda, em busca de sua quinta vitória consecutiva no Brasileiro. Em Recife, Sassá, de 22 anos, pode voltar ao time titular — não começa um jogo desde 11 de setembro, devido a lesões. A cidade é especial para o atacante, onde, emprestado ao Náutico em 2014, tornou-se artilheiro do time pernambucano e reaqueceu o interesse do Botafogo em seu futebol.

— Saí (do Botafogo) com esperança. Tinha na cabeça que precisava jogar. Fui para o Oeste (em que fez apenas três jogos), voltei e fui emprestado para o Náutico, onde começou a mudar a minha vida. Fiz amigos e me sinto em casa em Recife, da mesma forma como me sinto no Botafogo — disse Sassá ao GLOBO.

Pelo Náutico, foram 22 jogos e nove gols na Série B. Antes de ir para Recife, o atacante, que estreou nos profissionais em 2012, havia feito apenas 20 partidas pelo time principal do Botafogo, duas vezes como titular. Quando retornou ao clube no ano passado, Sassá passou a se tornar uma presença frequente em campo. Com a saída de Rodrigo Pimpão para os Emirados Árabes, ganhou definitivamente a titularidade e terminou o ano com 11 gols marcados. Ao voltar ao alvinegro em maio, Pimpão encontrou um novo Sassá. Hoje, os dois são candidatos ao posto de companheiro de Neílton no ataque.

— Ele cresceu muito, não só como jogador, mas como pai, como pessoa. Quando voltei, vi o Sassá diferente. Dentro de campo, os gols vinham acontecendo. Torço muito para ele. É um jogador com futuro brilhante — disse Pimpão.

Em 2015, o ponto alto de Sassá foram os três gols marcados sobre o Náutico, seu ex-clube, na Arena Pernambuco. No jogo seguinte, no entanto, veio a pior notícia do ano: uma lesão no ligamento cruzado anterior, no menisco e na cartilagem do joelho esquerdo. Foi operado e só voltou a campo em abril de 2016. Desde então, foram 25 partidas, 13 gols, a atual vice-artilharia da Série A (com 11 gols) e um acúmulo de lesões musculares, normais para quem passou por uma cirurgia. O atacante não lamenta, mas tem um convicção:

— Se estivesse bem fisicamente, eu seria o artilheiro do campeonato — garante. — Infelizmente as lesões vêm aparecendo, mas espero chegar no ano que vem 100% e poder brigar lá em cima.

É difícil contestar Sassá. Todos os seus concorrentes no topo da artilharia atuaram mais do que seus 20 jogos no Brasileiro, metade deles como reserva. Artilheiro com 12 gols, Fred, do Atlético-MG, tem 28 jogos, todos como titular. Entre os vices, Gabriel Jesus, do Palmeiras, jogou 22 vezes, só um saindo do banco. Robinho, também do Atlético-MG, deixou a reserva em duas de suas 26 partidas. Diego Souza, do Sport, jogou 27 vezes, sempre desde o começo. William Potker, da Ponte Preta, é quem mais se aproxima de Sassá, com 13 jogos de titular e 11 como reserva.

— Estou vivendo um grande momento e feliz. Posso dar muito ao Botafogo— disse o atacante, que descarta seguir o rumo tomado por outras revelações da base alvinegra, como Dória, Gabriel e Vitinho, que deixaram o clube. — Não chegou o momento de sair.

No Botafogo, Sassá parece ter um objetivo claro: disputar a Libertadores, o que não conseguiu fazer no primeiro semestre de 2014.

— Eu estava no Maracanã na Libertadores, fui lá para assistir, não estava relacionado. A gente até brinca e imagina pegar o Boca Juniors, na Bombonera. Deve ser uma emoção muito grande. Espero continuar nesta crescente para dar um pulo mais alto no ano que vem.

Aírton fora, Carli volta

Ontem, o volante Aírton não viajou com a delegação para Recife. Ele sofreu uma pancada na coxa esquerda na vitória sobre o Atlético-MG, quando deixou o campo no intervalo da partida. Seu substituto será Dudu Cearense, autor do gol da vitória no domingo. Na zaga, o capitão Joel Carli volta após cumprir suspensão. Emerson Silva será opção no banco de reservas.

Contra o vice-lanterna Santa Cruz, o time alvinegro tenta evitar nova surpresa. A última derrota da equipe de Jair Ventura foi justamente para o América-MG, último colocado, na casa do adversário. O time pernambucano vem de seis derrotas no Campeonato Brasileiro.

Notícias relacionadas
Comentários