Sem muito dinheiro para contratar em 2015, o Botafogo já traçou um plano para driblar o caos financeiro e montar um elenco competitivo na próxima temporada. Com a missão de ter que voltar à elite do futebol brasileiro, o Alvinegro aposta no prestígio e holofote que terá na Série B para seduzir atletas que estejam disposto a encarar o desafio.

Com o rebaixamento no Campeonato Brasileiro, o Botafogo sabe que será o grande destaque da Série B em 2015. Por conta disso, o Alvinegro usa essa questão nas conversas que têm com alguns empresários que terão papel fundamental na montagem do elenco para a próxima temporada. Para a diretoria, o clube está em uma situação que trará destaque para os jogadores e usa isso como trunfo nas contratações.

Isso, inclusive, já deu certo na chegada do técnico René Simões, que se surpreendeu com o convite feiro pelo Botafogo em meados de dezembro. O treinador deixou claro a satisfação e sequer pensou duas vezes antes de se confirmar como o comandante do Alvinegro em 2015.

“A crise financeira dificulta a missão, mas não estou preocupado. Estaria se chegasse aqui na minha apresentação e tivesse cinco jornalistas. Claramente não é o caso. Vi até que temos pessoas tendo que trabalhar em pé. Isso é o Botafogo e sua tradição. Tem uma exposição absurda. Eu sei disso e muito jogador sabe disso. Tem muito atleta que faria de tudo para jogar por esse clube. São esses jogadores que estamos atrás”, disse René Simões durante sua apresentação em General Severiano.

O presidente Carlos Eduardo Pereira é o principal defensor dessa tese. Para o mandatário, o Botafogo precisa entender novamente o seu tamanho, sua tradição, para voltar ao trilho do sucesso. “No mercado, assim como temos restrição de receita, teremos oportunidade por estar na Série B, com holofotes voltados para nós. É uma oportunidade de visibilidade única na carreira de um jogador. Oportunidade para novos valores”, afirmou Carlos Eduardo à Espn Brasil.

O Botafogo, no entanto, ainda não se movimentou no mercado. Com vários problemas a resolver, o presidente Carlos Eduardo Pereira tenta solucionar o caos administrativo para depois montar o elenco, já com uma noção mais concreta de quanto poderá gastar na próxima temporada. Inicialmente, o Alvinegro planeja uma folha salarial de R$ 1,6 milhão, com teto salarial de R$ 50 mil – apenas Jefferson teria vencimentos superior.

Fonte: UOL