Pela primeira vez na temporada, o Botafogo não poderá contar com Igor Rabello. Suspenso, o zagueiro será desfalque diante do Grêmio, em duelo a ser realizado neste sábado, às 16h (de Brasília), pela 22ª rodada do Campeonato Brasileiro. E a ausência de Rabello atenta para a sua importância, não só atrás, mas no ataque. Com Carli, o prata da casa compõe uma dupla que é uma forte arma, tanto que é a defesa mais artilheira dentre todos os times da Série A.

Juntos, Igor Rabello e Carli, com quatro e dois, respectivamente, acumulam seis gols na temporada, com 26 jogos de parceria. Os dois só ficam atrás de dois defensores do Atlético-PR, Thiago Heleno (2) e Léo Pereira (3), que somam cinco. Fecham o “pódio” mais duas duplas: Gustavo Henrique (2) e Lucas Veríssimo (2), do Santos, e Henrique (3) e Pedro Henrique (1), do Corinthians.

E há outro fator que dá orgulho ao torcedor alvinegro quanto ao tema. Isso porque, Carli, muito provavelmente, é quem tenha marcado o gol mais importante de um zagueiro no ano: na final do Carioca, já nos acréscimos, quando permitiu que o Botafogo fosse para os pênaltis e se tornasse campeão.

Em entrevista coletiva, o técnico Zé Ricardo enalteceu o entrosamento da dupla Igor Rabello e Carli, porém disse que confia nas outras opções de seu elenco. Pendeu para a escalação de Yago, o definindo como o “muito provável” substituto de Rabello contra o Tricolor. O argentino também falou sobre o cenário da retaguarda e minimizou a não presença do habitual parceiro.

– Eu sempre falo que, nos trabalhos do dia a dia, todos nós zagueiros estamos trabalhando juntos e trocando as duplas para não sentir tanto a ausência de um ou outro companheiro – analisou Carli, autor do primeiro gol da vitória contra o Sport, sábado último.

Contra o Vasco, já no finzinho, Carli deu nova vida ao Botafogo, que foi campeão carioca nos pênaltis, em seguida (Divulgação/Botafogo)

SEGUNDO ANO DE SOLIDEZ

Em 2017, Igor Rabello retornou de empréstimo do Náutico e, aos poucos, ganhou espaço com Jair Ventura. Deu início à segura parceria com Carli, de fato, a partir da primeira rodada do Campeonato Brasileiro. Já para este ano, chegou a ver o argentino no banco durante o início da trajetória de Alberto Valentim, que optara pelo jovem e mais veloz Marcelo Benevenuto.

Ainda com Valentim, no entanto, Rabello e Carli voltaram a atuar juntos, mais precisamente contra o Flamengo, pela semifinal do Estadual. Desde então, só não se encontram na zaga titular do Alvinegro quando há um contratempo.

Fonte: Terra