Em sua estreia pelo Botafogo, no último domingo, Emerson Sheik fez um gol, deu passe para outro e já conquistou a torcida alvinegra. Amigo pessoal do atacante, Júlio César não teve a mesma sorte. Após errar no lance do primeiro gol do Internacional, o lateral-esquerdo foi vaiado durante todo o primeiro tempo antes de ser substituído no intervalo por Júnior César, que pode ganhar a vaga no time. Sem esconder a má atuação de Júlio César, o camisa 7 falou sobre as vaias.

– O torcedor tem todo direito de vaiar o atleta e Júlio (César) está acostumado, não é menino. Se não viveu isso, já presenciou. Eu já fui vaiado para c…, mas ele é um cara que agrega, é um dos líderes e sabe muito bem o motivo das vaias. É importante ter a grandeza de reconhecer isso – afirmou Emerson, pedindo apoio da arquibancada. – O torcedor tem que entender que o Júlio (César) é importante. Se puderem apoiar, para o Botafogo vai ser melhor.

Apesar da boa atuação, Emerson evitou o papel de grande jogador do Botafogo. Ele ressaltou que o time todo precisa ir bem para a equipe vencer seu primeiro jogo no Brasileiro. Domingo, às 16h, o adversário será o Bahia, na Fonte Nova.

– Não sou salvador da pátria. Vou contribuir, mas não estou preparado para isso. Estou preparado para contribuir. Cada atleta tem sua responsabilidade quando entra em campo. Aqui não é tênis. É futebol e é coletivo – ressaltou o atacante.

Para a partida contra o Bahia, Marcelo Mattos é dúvida. Com dores no quadril, ele foi substituído por Aírton. Nesta terça-feira, o volante titular fez exames para conhecer a gravidade da lesão. Expulso no domingo, Lucas será substituído por Edílson. No meio-campo, Bolatti, que, emprestado pelo Internacional, não pôde entrar em campo no final do semana é opção. Ele disputa posição com Jorge Wagner no meio-campo.

Fonte: O Globo Online