O clima melancólico pela derrota de 2 a 0 para o Cruzeiro, na última quinta-feira, não marcou apenas os jogadores dentro de campo e os torcedores nas arquibancadas. Após o gol de Éderson, que selou a vitória da Raposa, uma confusão generalizada entre sócios-proprietários, membros do Conselho Fiscal e integrantes do Mais Botafogo, grupo que comanda o clube, se envolveram em uma confusão no Setor Oeste.

Cinco pessoas estão envolvidas no evento: Carlos Eduardo Godinho (membro do Conselho Fiscal), Ricardo Wagner (presidente do Conselho Fiscal), Fred Bastos (sócio-proprietário), Joseli Pereira (membro do Conselho Fiscal) e Alexandre Cardoso (segundo secretário do Conselho Fiscal).

Após o gol do Cruzeiro, um natural de clima de decepção marcou o Setor Oeste. Foi aí que Carlos Eduardo Godinho, com raiva, deu um soco em uma das paredes e esbravejo, ao ar, reclamando da diretoria. Nesse momento, Alexandre Cardoso e Ricardo Wagner se aproximaram do dirigente, reclamando de sua declaração e partindo para cima dele.

Foi aí que Fred Bastos apareceu. Como Godinho estava com sua filha de nove anos por perto, o sócio tentou defender o membro do Conselho e a confusão se intensificou. Carlos correu com sua filha para longe do local da briga. Neste momento, Fred e Alexandre se encontraram e caíram no chão. De acordo com uma pessoa que estava no local, mas solicitou anonimato, Fred Bastos levou chutes na cabeça de Ricardo e Joseli e, por isto, teve que ser hospitalizado.O LANCE! ouviu Carlos Eduardo Godinho, que deu sua versão da história. De acordo com o membro do Conselho Fiscal, seria impossível ele ter participado da confusão por estar com a filha e que os nervos estavam aflorados por suas recentes críticas ao Mais Botafogo.

– No segundo gol, em um momento de raiva, revolta com tudo o que está acontecendo com o clube, eu bati na parede e falei “acabaram com o Botafogo!”. Estava na Oeste, em um reduto tradicional de sócios-proprietários. Naquele momento, o Alexandre Cardoso, um dos líderes do Mais Botafogo e secretário do Conselho Fiscal, veio para cima de mim perguntando se eu estava falando dele e eu respondi que estava falando de toda a diretoria. Ele tentou me agredir, mas não conseguiu. O Ricardo Wagner e o Joseli também tentaram me agredir.

– Outras pessoas conseguiram separar. A maioria revoltada porque viram que não conseguiram respeitar uma menina de 9 anos. Depois que separaram o Joceli tentou arrumar confusão de novo. Eles estão se sentindo muito pressionados. Eu, há muito tempo, venho cobrando as contas do estádio e acho que, a partir disso, houve um tratamento mais agressivo com a gente. Acho que isso não leva a lugar nenhum. Vamos pedir a filmagem do estádio e fazer o boletim de ocorrências.

A reportagem do L! também procurou Ricardo Wagner, presidente do Conselho Fiscal, que também comentou sobre o assunto.

– Nada demais, apenas uma discussão sobre futebol. Graças a Deus tudo ficou certo depois da partida.

Fonte: Terra