Já há algum tempo pode-se notar a tendência do futebol europeu em centralizar o jogo nos volantes modernos, de excelente qualidade de passe e de organização – como Xavi, Andrea Pirlo e os campeões mundiais Toni Kroos e Bastian Schweinsteiger. No Brasil, a moda ainda não pegou completamente, e vemos poucos jogadores com essas características: Lucas Silva despontou no Cruzeiro e chamou a atenção do Real Madrid; Anderson teve certo sucesso jogando assim no Manchester United algumas temporadas atrás; Fernandinho, do Manchester City, e Jean, do Fluminense, podem se encaixar na descrição; e o melhor exemplo talvez seja Hernanes, da Internazionale – entre outros, e, ainda assim, são poucos. O Botafogo espera seguir o caminho e em 2015 lançou aos profissionais Fernandes, de 19 anos, que já ganhou o carinho da torcida e vem conquistando espaço. Nos juniores, porém, o jovem já pode ter sucessor garantido: Mauro, de 18, titular da equipe na Copa São Paulo.

Canhoto e polivalente, o meio-campista já atuou mais recuado e mais avançado na base alvinegra, e foi o camisa 10 na Copinha, mas prefere ficar atrás. “Eu me sinto mais confortável jogando como segundo volante, mas venho atuando como meia-atacante. Sou técnico, calmo, habilidoso, inteligente, tenho boa visão de jogo. Tenho facilidade em bater na bola, cobro escanteios, faltas e pênaltis”, analisou o confiante Mauro em conversa exclusiva com o FutNet. E, para tal, as inspirações são os craques: Pirlo, Andrés Iniesta e, claro, Lionel Messi, são os ídolos do volante.

Os primeiros contatos dele com a bola foram realizados na escolinha do tio em Fazenda Botafogo, bairro da zona norte do Rio de Janeiro. Ainda criança, passou pelo futebol de salão do Guadalupe Country Club, do Valqueire Tênis Clube, do Marã Tênis Clube, do Nacional de Guadalupe, do Madureira, do FutShow e do Bangu, até chegar à Casa de España, que tem parceria com o Botafogo. Mauro começou a defender o clube mesmo aos 6 anos de idade. “São 11 anos defendendo o Glorioso no campo e nunca fui de outro time”, diz, orgulhoso.

A temporada 2014 foi a primeira de Mauro nos juniores. Antes, foi titular do juvenil e do infantil, e no período conquistou o Torneio Guilherme Embry Sub-16 de 2012. Ao chegar na categoria sub-20, porém, não encontrou espaço no ano passado, ficando atrás de meio-campistas mais experientes no elenco como o próprio Fernandes, além de Rafael, Moraes e de dois companheiros da geração dos nascidos em 1996: Johnson e Leandro. Não chegou a fazer 15 jogos na temporada, mas participou das conquistas do Campeonato Carioca Sub-20 e da Zayed Cup Sub-18, disputada nos Emirados Árabes. Logo no começo de 2015 conquistou a confiança do técnico Maurício de Souza e ganhou a camisa 10 para a Copa SP. “Foi uma experiência incrível ter disputado um campeonato tão visado. É um campeonato incrível, muitos meninos sonham em disputar, e graças a Deus eu pude realizar esse sonho. Espero jogar ainda muitos campeonatos assim pela frente”, celebrou Mauro, que disputou as três partidas da fase de grupos e ficou suspenso para a segunda fase, na qual o Bota acabou eliminado para o xará de Ribeirão Preto nos pênaltis.

O bom começo de ano nos juniores animou o jovem, que completa 19 anos apenas em novembro. “Espero que 2015 seja um ano diferente, um ano melhor, especial, um ano de vitórias. E que no futuro possa disfrutar de coisas ainda melhores do que nos últimos anos”, projeta. No Carioca Sub-20 deste ano, ele já foi titular nas duas primeiras partidas, contra Boavista e Volta Redonda, e entrou no segundo tempo contra o Bonsucesso – contra o Bangu não atuou.

Atual campeão da categoria, o Alvinegro tenta defender o título, mas não conta mais com três jogadores importantíssimos do time do ano passado, todos promovidos aos profissionais. O lateral-esquerdo Jean, o meia-atacante André Luís e o meio-campista Fernandes, de quem Mauro parece ser o herdeiro no elenco – e não se deixa levar pela pressão . “Todos nós ficamos felizes pela subida dos três, embora fossem jogadores de extrema importância. Mas sabemos que todos nós estamos trabalhando para dar o melhor e o máximo dentro de campo, então cada um sabe a responsabilidade que tem. Temos certeza que assim como eles fizeram a diferença, nós também vamos fazer”, explicou o meia.

Mauro ainda garante que tem como ambição atingir os objetivos planejados, subir aos profissionais e manter a forma física e a saúde para ter uma carreira longa. Depois de tanto tempo vestindo a camisa preto-e-branca que já foi usada por craques imortais, a grandeza do Glorioso está entranhada nele. “Não tenho palavras para definir o tamanho da importância do Botafogo na minha vida. É simplesmente o meu clube, a minha vida, a minha história. Tenho uma vida ali dentro. Só tenho a agradecer a Deus por tudo que eles fizeram e ainda fazem até hoje por mim”, finalizou.

Fonte: Futnet