A cara é de menino, mas a segurança é de gente grande. Titular do Botafogo neste início de temporada, o zagueiro Emerson Santos, de 20 anos, parece não sentir o peso de defender um clube de tradição. A boa fase do time, invicto do Estadual, ajuda. E, com a confiança do técnico Ricardo Gomes, o jogador ainda não teve o posto ameaçado.

Enquanto os experientes Renan Fonseca e Joel Carli disputam uma vaga pelo lado direito da defesa, o jovem não deu chances para seu xará, Emerson Silva.

— Fico feliz por jogar, o Renan e o Emerson Silva são excelentes. O Botafogo vai estar bem servido, independentemente de quem entrar — analisa o zagueiro.

Dono de um chute poderoso, Emerson se tornou o mais perigoso cobrador de faltas do time. Contra o Vasco, fez dessa forma o gol de empate, nos minutos finais da partida. No domingo, diante do Fluminense, acertou o travessão de Diego Cavalieri.

— Isso é reflexo do meu trabalho. Desde quando comecei no futebol, vi que tinha um talento para cobrar faltas. Na base, meus companheiros já falavam que eu batia forte e, mesmo cansado, eu praticava bastante após os treinos para me aperfeiçoar — conta o jogador.

Apesar de se destacar nesse fundamento, Emerson não se considera o batedor oficial do Botafogo. Ele diz que a decisão sobre quem vai assumir a cobrança é tomada pelos próprios atletas.

— Na hora, nós conversamos para ver quem está em melhor condição de bater. Depende também de como o goleiro posiciona a barreira — explica o alvinegro.

Fonte: Extra Online