Neste sábado, dia de longas homenagens ao eterno ídolo Nilton Santos, um dos maiores laterais de todos os tempos do futebol brasileiro e mundial, que, se vivo estivesse, completaria 90 anos de idade, a reportagem da Rádio Globo encontrou Jarbas Carlini, 47 anos, artesão, que levou ao estádio que leva o nome do ex-craque, um lindo troféu confeccionado pelo próprio em forma de réplica.

Jarbas diz que levou dois dias para fazer a réplica do troféu que o Botafogo conquistou em 1995, quando foi campeão Brasileiro daquele ano.

“Não vi Nilton Santos jogar, mas guardo na memória a imagem do grande ídolo dando um passo à frente após cometer um pênalti e o árbitro não marcar a infração contra o Brasil”, afirmou Jarbas.

Essa história começa e termina em Viña del Mar, Chile, 6 de junho de 1962. Brasil e Espanha se enfrentavam pela última rodada da primeira fase da Copa do Mundo. Quem perdesse, iria embora para casa.

No Segundo tempo, espanhóis abriram 1 a 0 no placar. Enrique Collar foi derrubado por Nilton Santos dentro da área. O brasileiro deu dois passos para fora da área e engana o árbitro Sergio Bustamante, que marcou falta em vez de pênalti. A Seleção virou o jogo, chegou às quartas de final e depois conquistou o título mundial.

Jarbas, assim como todos os torcedores que foram ao estádio, Nilton Santos saíram felizes com a goleada de 4 a 1 que o Botafogo deu no CRB e o fez chegar a segunda vitória seguida no Campeonato Brasileiro da Série B.

Fonte: Rádio Globo