Depois de uma vitória no Chile por 2 a 1, o Botafogo recebeu o Audax Italiano no Nilton Santos, no dia 09 de maio, para confirmar a classificação na Sul-Americana. O jogo parecia tranquilo, mas não se confirmou, tanto em campo, como na arquibancada. Isso porque o Alvinegro até avançou, mas apenas empatou em 1 a 1. Na bancada, um episódio envolvendo um torcedor deixou muita gente preocupada. Gabriel Cavalcanti, de 27 anos, caiu no fosso do estádio ao tirar uma foto e precisou ser socorrido às pressas.

No dia do acidente, as primeiras informações eram de fratura de face e contusão pulmonar. Na sequência, ficou confirmada a necessidade de operação na mão também, o que aconteceu na última segunda-feira (14), após fraturas em dois dedos. Gabriel ainda ficou em observação por conta de preocupação com outros órgãos internos, um possível rompimento do basso, inchaço do pulmão e fratura na costela.

Divulgação

Foto tirada no celular de Gabriel poucos minutos antes da queda 

Apesar das complicações, o torcedor botafoguense tem evolução na recuperação e recebeu alta na última quinta-feira (18), uma semana depois do acidente. Ao Esporte Interativo, ele contou detalhes do acidente.

“No intervalo do jogo, eu estava tirando uma foto na mureta do estádio, e um segurança que fica no gramado veio conversar comigo para eu não ficar ali porque era perigoso. Mas ele veio por trás de mim e, como eu estava distraído, perdi o equilíbrio e cai no fosso”, contou.

Gabriel Cavalcanti contou que ficou muito machucado na hora da queda e revelou que deu os primeiros sinais de vida após uma pessoa da equipe médica do estádio tentar cortar a sua camisa do Botafogo para lhe deixar mais à vontade na hora do socorro.

“Quando eu tive o impacto, eu não sabia como era a dinâmica. Eu só acordei dentro do hospital São Lucas. O pessoal queria cortar minha camisa para eu ficar mais à vontade, porque eu estava muito machucado e sangrando, queria passar a tesoura. Eu disse: ‘Nada disso, passa pela minha cabeça’. Fiz um esforço. Foi o primeiro sinal de vida que eu dei para todos, mostrando que eu estava consciente, tudo para salvar o manto”, completou.

Apesar do susto, o botafoguense não deixará de voltar ao Nilton Santos. Gabriel exaltou o atendimento que recebeu dos funcionário do clube e do estádio e garantiu que acompanhará o clube em breve, até para encontrar as pessoas que salvaram a sua vida.

“O Anderson Simões, VP de Estádio, e a equipe do estádio de plantão me ajudaram bastante, tanto no socorro, quanto para eu ir para o hospital São Lucas, onde meu plano de saúde cobria. Fizeram contato com o hospital e com o plano. Como na hora do acidente eu estava sozinho, poderia ficar com dificuldade de falar com algum parente e ter uma recuperação pior, mas todos envolvidos estavam preocupados. Me ajudou bastante. Foi tudo nota 10”, disse.

“Estou conversando com o pessoal que me socorreu para visitá-los, dar um abraço. Mas eles só estão lá em dias de jogos. O próprio Alex, um dos socorridas, (foto) me convidou para ir lá. Por mim, eu já iria no próximo jogo. Mas é questão de recuperação, ser liberado. Não tem nenhum trauma, apenas cuidado para não ficar próximo do muro”, encerrou.

Fonte: Esporte Interativo