Torcedor que se diz ‘vira-casaca’, estreia como molambo e sofre ameaça de alvinegros

Compartilhe:

Noventa minutos, quatro gols e uma paixão renascida. Esta série de acontecimentos não é uma sinopse de filme, mas bem que poderia narrar a história do morador de Búzios, Região dos Lagos do Rio, Yan Alves. Pela primeira vez, o jovem acompanhou uma partida no Maracanã como flamenguista. Ex-torcedor do Botafogo, o jovem resolveu trocar de clube depois que Léo Moura balançou as redes do alvinegro pela quarta vez, no segundo jogo das quartas de final da Copa do Brasil. Cumprindo o prometido, o novo rubro-negro esteve no estádio e mostrou que é pé-quente. Logo na estreia no meio da massa, Yan acompanhou de perto o triunfo da equipe sobre o Goiás por 2 a 1. Vitória que garantiu o Fla na final da competição para enfrentar o Atlético-PR.

Sem esconder a emoção de poder comparecer pela primeira vez a um jogo do novo time, Yan enalteceu o apoio incondicional dos torcedores rubro-negros durante a partida. Principalmente no susto relâmpago, após Sasha cabecear para o fundo do gol de Paulo Victor, abrindo o marcado para o Goiás, logo no primeiro lance de perigo da partida.

– O jogo foi bom demais! Estar no Maracanã é sempre emocionante, independe do jogo. Mas foi um jogo incrível. A torcida do Flamengo é aquilo, né? Muita gente e eles não param de apoiar nenhum segundo. Tomamos o primeiro gol, mas logo depois gritamos “vai pra cima deles, Mengo”. A torcida estava linda, fizemos uma festa muito bonita – disse.

Entretanto, um imprevisto por pouco não atrapalhou a grande noite do jovem de Búzios. Sofrendo com um recorrente problema encontrado nos estádios de futebol brasileiro, o mais novo torcedor flamenguista quase não conseguiu entrar no Maracanã e assistir a vitória do Flamengo. Yan e os amigos fecharam um pacote com um grupo de turismo para a partida, mas, no momento de entrar no estádio, descobriram que os ingressos eram falsos.

– O que me deixou triste é que eu e meus amigos chegamos ao estádio para entrar e nossos ingressos eram falsos. Só que na hora conseguimos comprar outros ingressos e entramos. Pelo fato de termos comprado ingressos falsos, tive que ficar longe dos meus amigos. Cada um ficou em um setor diferente e eu assisti ao jogo sozinho. A única fatalidade foi isso – disse.

Flamengo Léo moura e torcedor vira casaca (Foto: Rafael Cotta)
Yan Alves conheceu o lateral Léo Moura na concentração e ganhou uma camisa (Foto: Rafael Cotta)

Desde que Yan passou a comparecer ao Maracanã nos jogos do Flamengo pela Copa da Brasil, o time conquistou duas grandes vitórias. Contente com o saldo positivo, o jovem rubro-negro aguarda o confronto final da competição para definitivamente poder tirar onda de torcedor “pé-quente”.

– Não sei se posso me considerar um torcedor “pé-quente” ainda. Mas, nas duas vezes que eu fui ao Maracanã, o Flamengo venceu. Vamos esperar, se eu conseguir ir mesmo à final e o time ganhar, posso ser considerado um “pé-quente” (risos). O que sei é que o Flamengo pode perder de três, quatro ou cinco que eu vou continuar com o time. Como diz o hino “uma vez Flamengo, Flamengo até morrer” – afirmou.

Camisa que o Yan ganhou de Leo Moura (Foto: Arquivo Pessoal/Yan Alves)
Camisa que o Yan ganhou de Léo Moura (Foto: Arquivo Pessoal/Yan Alves)

Conhecendo o “culpado”

Na noite da última terça-feira, Yan Alves teve a oportunidade ficar frente a frente com o responsável pelo renascimento da paixão pelo Flamengo. Torcedor rubro-negro na infância, o morador de Búzios acabou se apegando ao Botafogo por incentivo do pai. Mas através dos pés de Léo Moura, quando o lateral venceu Jefferson na cobrança de pênalti que originou o quarto gol rubro-negro, Yan reencontrou o amor há muito tempo esquecido. 

– O encontro com o Léo Moura aconteceu no hotel onde os jogadores estavam concentrados para partida contra o Goiás. Foi um prazer conhecê-lo. Ele é um grande jogador, o capitão e o mais experiente do time. Tem que respeitar. Ele foi muito gentil comigo, me recebeu bem e me deu moral. Ele foi bem humilde.

No encontro, Yan realizou um sonho de muitos torcedores rubro-negros. Pôde conversar com o novo ídolo de forma descontraída e ainda foi presenteado pelo lateral com uma camisa do Flamengo para assistir a partida contra o Goiás “uniformizado”. 

– Quando eu soube que ia encontrar o Léo Moura, eu pedi uma camisa, já que eu não tinha uma camisa para ir ao jogo contra o Goiás. O Léo me deu a camisa e autografou. Ela veio com o meu nome e com o número nove. Acho que me deram a nove porque eu tinha pedido uma camisa do Hernane “Brocador” – contou.

O Botafogo…

Engana-se quem pensa que o Botafogo saiu definitivamente da vida de Yan Alves. Pelo contrário. O jovem de Búzios continua na torcida para alvinegro conseguir uma vaga na Libertadores de 2014 através do Brasileirão. Já contando com a classificação do Flamengo, o agora rubro-negro sonha com um novo confronto entre as duas equipes na competição continental.

– Eu desejo sorte ao Botafogo no Brasileirão. Que eles consigam ir para a Libertadores, para nós podermos pegar eles, se Deus quiser, de novo. Para lotarmos o Maraca novamente e vencermos. Fica a expectativa – declarou.

Brincadeiras à parte, Yan prega respeito à história do Glorioso. E aproveita o momento para explicar que nunca quis ridicularizar o ex-clube, que não existe motivos para os torcedores alvinegros ficarem tão aborrecidos com toda essa história. 

– Eu nunca quis ridicularizar o Botafogo, sei que é um grande clube. Mesmo que eu tentasse, não teria como. Eu não fiz nada demais, eu não estou desmerecendo ninguém. Eu apenas mudei de time. Se eles (torcedores do Botafogo) me ameaçam, falam que vão me matar e tudo mais, é com eles. Eu sou quero é torcer em paz. Agora eu sou Flamengo, não tem jeito. Muita gente me critica, fala que eu não tenho personalidade. Mas, agora, eu faço parte da maior. Faço parte da maior do mundo. Isso é o que muda. Eu sou fanático por futebol e sempre que puder estarei nos estádios dando a vida para o Flamengo sair com a vitória. 

Nova aposta

Sobre fazer uma nova aposta – foi de uma que Yan mudou de clube – no embate entre o Flamengo e o Atlético-PR, pela final da Copa do Brasil, o jovem rubro-negro foi objetivo e disse que está aguardando propostas. Porém, ele está decidido quanto ao que não colocar em disputa.

Bruno Baylongue, Victor Quintanilha, Yan Alves, Diego Guimarães, Arthur Quintanilha e João Paulo Zampier (Foto: Arquivo pessoal/Yan Alves)
Yan e os amigos no jogo que acabou com a troca de clube (Foto: Arquivo pessoal/Yan Alves)

– Para a final, já tenho uma cadeira no estádio. Já estou até lá. Estou motivado. Temos que agarrar essa oportunidade com unhas e dentes. É o caminho mais curto para a Libertadores. Eu ainda não tenho nenhuma aposta para a final, não. Estou esperando as propostas. Mas nada de mudar de time (risos). Agora só aposto caixas de cerveja e essas coisas. Mas estamos aí para o que der e vier – afirmou.

Fonte: Globoesporte.com

Comentários