O atacante Rodrigo Aguirre, do Botafogo, foi revelado pelo Liverpool, do Uruguai. Responsável por colocar o jogador em campo, o ex-treinador do clube Eduardo Favaro, atualmente no El Nacional, do Equador, tranquilizou a torcida alvinegra sobre o desempenho do atacante, em entrevista exclusiva ao Esporte 24 Horas.

“Não vejo motivo para preocupação. Nos tempos em que esteve no Uruguai, tanto no Liverpool, como no Nacional, ele teve ótimo rendimento. Todo o jogador precisa ter seu lado emocional muito bem trabalhado e isso não é diferente com ele”, disse Favaro.

Aguirre foi emprestado pelo Liverpool para o Empoli, da Itália, onde chamou a atenção da Udinese. Acabou comprado pelos italianos, que sem dar muitas chances ao uruguaio, o tem emprestado seguidamente. Perugia, da Itália, Lugano, da Suíça, Nacional, do Uruguai, e Botafogo. De todos os clubes, foi em seu país natal que conseguiu o maior destaque.

Porém, ao chegar no Botafogo, pouco jogou, além de ter feito apenas um gol, deixando a torcida alvinegra com um pé atrás.

“Ele teve uma breve passagem pela Udinese onde teve poucas oportunidades. Acredito que após esse período de adaptação ao futebol brasileiro, ele será capaz de brilhar com a camisa do Botafogo”, completou o ex-treinador do jogador.

Muitos jogadores estrangeiros atuam no Brasil. Alguns levam um tempo a mais para se adaptar ou até mesmo não conseguem, e deixam o país.

“Rodrigo é muito habilidoso, tem faro de gol, um ótimo chute e é muito bom no jogo aéreo. Ele tem um porte físico avantajado, briga e protege bem a bola. Tem tudo para dar certo no Botafogo. Ele é um atleta muito jovem e com ótimas condições. Obviamente precisa de tempo e confiança para se adaptar ao futebol brasileiro”, disse.

Profundo conhecedor de Rodrigo Aguirre, Eduardo Favaro cita o que pode ser feito para que o Botafogo e os companheiros possam explorar melhor as características do jogador.

“Conosco, ele teve um ótimo desempenho, marcando gols importantes, jogando como centroavante ou atuando pelos lados do campo. Ele como homem de referência na área utilizava o físico para disputar jogadas com os zagueiros adversários. O Rodrigo sempre foi muito forte e isso o tornava diferente dos outros jogadores. Cheguei a utilizá-lo algumas vezes como ponta. Ele até fez bons jogos, mas sempre se destacou como um legítimo goleador”, lembrou Eduardo.

Treinador relembra início do atacante

Em 2012, Aguirre estreou no profissional do Liverpool, sob a batuta de Eduardo Favaro. O técnico considera a equipe uma grande fonte de formação de novos jogadores, com alguns tendo um destaque maior, como foi o caso do uruguaio do Botafogo.

“O Liverpool é um clube com um ótimo trabalho em formação de base. A prioridade é definir o estilo de jogo nos primeiros anos. Alguns atletas acabam se destacando, e o Rodrigo foi uma das grandes promessas, com grande participação nas seleções juvenis do Uruguai. Ele sempre demonstrou ter qualidade nas categorias de base. Quando jovem, com 17 anos, chegou a ter sondagens de clubes da Espanha e Itália. Clubes como Cagliari, Genoa, Almería e Girona, chegaram a enviar observadores para analisar o desempenho dele no Uruguai. Ele quase se transferiu muito cedo para a Europa. Na época, ele optou em completar a sua formação no futebol uruguaio antes de ir para o exterior”, afirmou.

Porém, neste período de formação do jogador, nem tudo foi mil maravilhas. Aguirre passou por um problema sério em 2014, justamente no ano que Favaro retornou ao clube, podendo ter a chance de ajudá-lo novamente.

“Voltei a trabalhar no Liverpool em 2014. No meu retorno, encontrei o Rodrigo se recuperando de uma suposta doença cardíaca, que se pensava ser impossível voltar a jogar. Então, tivemos que fazer um treinamento muito especializado e planejado para fazê-lo voltar a ter a melhor forma física e técnica para poder jogar futebol. Ele ficou quase seis meses sem treinar. Eu o visitava todos os dias para acompanhar sua recuperação em casa. Após receber alta do tratamento, o Rodrigo treinava muito forte duas vezes por dia. Ele sempre demonstrou determinação em voltar a jogar futebol. Após ser submetido a novos exames, ele foi liberado para voltar a jogar futebol. Nunca foi constatado um problema de coração”, completou.

Nesta temporada, Rodrigo Aguirre atuou em 23 partidas pelo alvinegro, sendo sete delas como titular. Fez apenas um gol e levou dois cartões vermelhos.

Fonte: Esporte 24 Horas