Uruguaios armam tumulto em Copacabana, apanham de camelôs e acabam detidos

0 comentários

Por FogãoNET

Compartilhe

Depois de uma confusão durante o jogo contra o Botafogo na noite desta quinta-feira no Engenhão, na Zona Norte do Rio, torcedores uruguaios do Nacional-URU se envolveram numa grande briga na Avenida Nossa Senhora de Copacabana, na esquina com a Rua Siqueira Campos, em Copacabana, na Zona Sul, na tarde desta sexta-feira.

Armados com paus e pedras, cerca de 60 torcedores agrediram camelôs e pessoas que estavam na rua, segundo a PM. Treze torcedores foram detidos e encaminhados para a 12ª DP (Copacabana).

De acordo com o 19° BPM (Copacabana), o grupo estava reunido num bar próximo à Rua Siqueira Campos. Eles saíram do estabelecimento bastante alterados, arrumando confusão com camelôs e pessoas que estavam na rua. Ainda segund o batalhão, os policiais foram acionados às 15h10 para conter o tumulto.

— A situação ia ficar fora de controle se a gente não chegasse. Estavam com pedra na mão, pedação de pau. Foi rápido, mas devastador — contou um policial do batalhão.

Nas redes sociais, as pessoas que viram o tumulto relatam cenas de selvageria.

“Derrubaram umas 10 barraquinhas, eram muitos. Tipo uns 50. Só não contavam com a astúcia dos camelôs. E nem com as barras de ferro das barracas. Apanharam pra cacete. Diria que alguns apanharam mais do que o razoável. A guarda municipal se juntou aos camelôs na batalha. Cassetetes e barras de ferro, unidos pelo patriotismo e pela contravenção. A polícia chegou e prendeu os baderneiros. Mas só os do Uruguai. Todos foram aplaudidos.”

“Desde ontem eles estão nessa fazendo uma zona danada no país dos outros.”

“Briga de uruguaios, torcedores do Nacional, que vieram assistir ao jogo contra o Botafogo ontem, versus camelos em Copacabana agora.”

O Nacional foi derrotado pelo Botafogo por 2 a 0 e foi eliminado nas oitavas de final da Libertadores. Depois do jogo, os jogadores se revoltaram em campo e os torcedores uruguaios nas arquibancadas. Ao todo, 220 cadeiras foram destruídas, totalizando um prejuízo de R$ 55 mil.

Notícias relacionadas