O treino do Botafogo desta quinta-feira contou com uma notícia animadora para Alberto Valentim. Aparentemente recuperado de um desconforto muscular na coxa, Valencia voltou a treinar sem limitações e junto ao grupo – algo que não havia ocorrido na última quarta, dia de reapresentação pós-jogo.

Até então titular em todas as partidas da Era Valentim, o chileno foi ausência no clássico diante do Fluminense, segunda-feira última, válido pela quinta rodada do Campeonato Brasileiro. Sem ele, o Botafogo foi a campo com Kieza aberto pela esquerda e, através do gol do atacante, venceu por 2 a 1.

Outro que foi desfalque de última hora para o Clássico Vovô, Marcos Vinícius, que também sentiu dores na coxa, foi mais um a retornar ao gramado do campo anexo do Nilton Santos para iniciar a recuperação. No entanto, diferente de Valencia, ficou apenas na fase de transição, ao lado do volante Marcelo.

A atividade desta quinta, integralmente liberada ao acesso da imprensa, teve mais dois destaques: a presença de importantes peças da equipe sub-20 e Gatito Fernández acelerando o processo de recuperação, com uma espécie de bandagem elástica – e não mais gesso, como estava nas últimas semanas.

Os meio-campistas Rickson e Wenderson, suspensos do jogo desta noite, contra o Corinthians, pela volta das semifinais da Copa do Brasil sub-20 (na ida, em São Paulo, o Timão venceu por 2 a 0), integraram o elenco profissional e realizaram o treino com três equipes, mescladas entre titulares e suplentes, e focado na intensidade de toques rápidos e curtos.

Já Gatito, que lesionou o punho direito no jogo contra o Sport, no dia 23 de abril, pela segunda rodada do Brasileiro, ainda tem limitações no dia a dia. Não tem usado as luvas e apenas realiza passes e lançamentos longos – na última quarta, chegou a atuar na linha em uma atividade de posse de bola.

SUSTO E BOM HUMOR

Em tempo, logo no início do treino, Valentim passou por um susto. O promissor Gustavo Bochecha, acionado na segunda etapa contra o Flu, sentiu a perna esquerda e ficou no chão após forte choque com Moisés.

Em seguida, quando uma rodinha de atletas se formou em volta do garoto, o treinador brincou e, com uma risada, fez um sinal de positivo à imprensa, sinalizando que não havia problema algum. Bochecha, após a pancada, treinou sem empecilhos.

Fonte: Terra