O Vasco recebeu a equipe do Friburguense na noite desta quinta-feira (25), em São Januário. Vindo de cinco vitórias em cinco rodadas, o time de Jorginho defendia a manutenção dos 100% de aproveitamento no Campeonato Carioca. O Rival da vez era uma das surpresas da competição. Jogando um futebol vistoso, com um elenco repleto de veteranos, o Frisão tentava de fato o que conseguiu, surpreender a equipe vascaína.

Em partida muito movimentada, onde começou melhor, o Friburguense saiu de São Januário com um ponto na conta. Já para o Gigante da Colina, o resultado de igualdade representou o fim da campanha perfeita que a equipe vinha fazendo até então.

Na próxima rodada, os donos da casa têm uma parada duríssima pela frente. Trata-se do tão aguardado clássico entre Vasco eBotafogo. A partida ocorrerá em São Januário, no próximo domingo, às 19 horas e marcará a segunda prova de fogo para o Vasco contra um grande. No lado da equipe da Região Serrana do Rio, o confronto será contra o Fluminense. A partida ocorrerá na próxima quarta-feira (2), às 21h45, em Nova Friburgo. As duas partidas se iniciam no Horário Oficial de Brasília.

Vasco dá espaços ao Friburguense e equipe de Gerson Andreotti aproveita

O apito inicial para Vasco da Gama e Friburguense não era apenas mais um. Tratava-se da continuação de uma partida que ainda não havia acabado. Pelo menos para os jogadores e Comissão Técnica do Frisão. Tudo isso porque, na 14ª rodada do Carioca de 2015, as duas equipes se enfrentaram, em Nova Friburgo, e o placar, favorável aos mandantes na época, se tornou motivo de orgulho.

Na ocasião, o confronto terminou em um estranhíssimo 5 a 4, e o ímpeto dos atletas nesta quinta-feira não seria diferente. Logo aos 4 minutos de jogo, a primeira chance da partida veio dos pés de Rômulo, que de fora da área, testou a defesa cruzmaltina, que colocou para escanteio. Na cobrança do tiro de canto, novo susto para Luan e companhia, que viram a bola cruzar toda a extensão da área, de ponta a ponta, até sair por lateral, no lado oposto.

A resposta veio cinco minutos depois. Após bela trama entre Eder Luís e Madson, o atacante bateu na saída do goleiro Marcos, que se antecipou ao movimento do adversário e fez ótima defesa. O lance marcava o equilíbrio dos primeiros 10 minutos de partida. Sem Nenê e Andrezinho – suspenso e poupado, respectivamente – o meio-campo vascaíno contava com joias da base como os dois Matheus, Vital e Índio, além da experiência de Julio dos Santos e Bruno Gallo na contenção, o que dava certos espaços para a troca de passes do Friburguense no setor.

O primeiro lance de emoção da partida aconteceu aos 25 minutos, quando Rômulo, após girar bonito dentro da área, tocou no canto direito de Martin Silva. 1 a 0 Friburguense. O gol fez iniciar o protesto das arquibancadas, de onde começavam a vir xingamentos e cobranças por mais velocidade nas trocas de passe.

O Vasco tinha dificuldades para criar no meio-campo, principalmente com o esquema armado por Andreotti. A alternativa foi a bola parada. Aos 33’, de longe, Rafael Vaz experimentou, e Bidu cortou a bomba de cabeça, evitando maiores problemas. No minuto seguinte, a resposta do Frisão veio novamente com Rômulo, que de fora da área, tentou, mas errou o alvo.

Já o gol de empate vascaíno saiu quando a equipe e torcida já não acreditavam mais. Nos minutos finais de partida, mais precisamente aos 44’, Luan achou Eder Luís no corredor e, lembrando os belos momentos da carreira, ganhou da zaga na velocidade e tocou para Riascos, livre, só empurrar para as redes e empatar o jogo, dando um resultado mentiroso a uma primeira etapa onde o Friburguense foi melhor e levou um pouco mais de perigo.

Vasco vira, mas volta a sofrer empate em lance de pênalti polêmico e perde os 100% na competição

Após os 15 minutos de conversas no vestiário, esperava-se um Vasco mais brigador na segunda etapa. Mas logo no começo, o Friburguense tratou de provar que seria sim um visitante indigesto, e logo no primeiro minuto, após lance de falta na entrada da área, onde a arbitragem assinalou vantagem, a equipe da Região Serrana quase marca seu segundo gol, mas graças a bela defesa de Martin Silva, o empate permanece no placar.

Nos dois lances seguintes, novas investidas do Frisão, em uma delas, com um belo elástico do atacante Maycon, que passou com facilidade por Madson e cruzou, mas Luan interveio a tempo. A sequência do Friburguense assusta o Vasco, que se fecha, dando espaços ao adversário, e só volta a sair aos 12 minutos, quando Yago Pikachu, que entrara no intervalo, encontra Riascos sozinho, o colombiano avança e, cara a cara com o goleiro Marcos, tenta tocar de lado, com efeito, e perde a melhor chance do Vasco até então.

Depois do início avassalador do Friburguense, e do equilíbrio das ações por parte do Vasco, a partida perdeu intensidade. As equipes começaram a tocar para o lado, buscando espaços para as conclusões, mas com os sistemas defensivos adversários bem armados, estas oportunidades eram quase inexistentes.

Visto que pelo meio não teria como penetrar na defesa do Friburguense, o Vasco apelou novamente para a bola parada. Após falta na intermediária, Rafael Vaz cobrou com extrema violência, obrigando o arqueiro adversário a fazer uma defesa quase que de manchete, como se fosse um líbero de vôlei, e no retorno, a zaga afastou para escanteio. Na cobrança de Pikachu, Riascos subiu mais do que todos na área e virou para o Vasco. Na comemoração, o colombiano pulou a placa de publicidade e pegou o pequeno Paulinho, seu filho, que acompanhava a partida nas Sociais de São Januário.

Mas como não há – nenhuma – justiça no futebol, no melhor momento do Vasco no jogo, quando os zagueiros do Friburguense já se viam assustados, uma decisão polêmica mudou o rumo da partida. Após jogada pela esquerda, Flavinho cruzou e Luan deu o carrinho para cortar a bola. Como uma atitude natural do corpo, o zagueiro colocou a mão no chão. A bola, acidentalmente tocou seu braço esquerdo e o árbitro marcou a penalidade prontamente. Na cobrança, de novo, Rômulo. Empate na Colina.

Fonte: Vavel.com