Três pontos são capazes de mudar o ambiente de um clube. E, além do salto na tabela do Campeonato Brasileiro, foi isso que o Botafogo carregou da vitória sobre o América-MG, por 3 a 1, na quarta-feira: a leveza, escancarada no rosto e na fala dos jogadores. Mas, a exibição diante de um adversário tão frágil — a equipe mineira é a nova lanterna da competição — foi apenas o primeiro passo da reconstrução de um time que descia ladeira abaixo.

— O clima fica muito mais leve com uma vitória. Dá para ir a restaurante, shopping… É totalmente diferente — comemorou o lateral-direito Luis Ricardo.

Na última rodada, o Alvinegro marcou três gols em um mesmo jogo pela primeira vez na temporada. Mas, esses números não representaram conclusões de jogadas trabalhadas: dois deles foram conversões de pênaltis e o outro, um verdadeiro presente da zaga adversária. Ao menos o time esteve mais agressivo em campo e finalizou 22 vezes.

Se ainda não presenciou uma exibição de gala, Ricardo Gomes pôde, ao menos, vislumbrar alternativas para o setor ofensivo. O entrosamento quase instantâneo entre Sassá e Neilton — reservas até o último fim de semana — afastou a apatia que havia tomado conta do ataque, antes formado por Ribamar e Anderson Aquino.

Apesar da vitória, existe a consciência de que o elenco será mais exigido futuramente. Nas próximas rodadas, o Alvinegro pega adversários com elencos muito mais robustos, como Corinthians, Internacional e Atlético-MG. No meio do caminho, ainda enfrenta o Figueirense.

— Conseguimos fazer um gol logo e surpreendemos o América-MG. Isso nos facilitou, mas não podemos pensar que, por que ganhamos com um placar elástico, será sempre assim — ponderou Luis Ricardo: — Gostaria que fosse, mas no Brasileiro os times oscilam muito. Nós estamos no caminho certo, mas não podemos nos iludir.

Fonte: Extra Online