Ele estava encostado. Presença certa no departamento médico pelos últimos seis meses por conta de uma lesão no púbis, algo que infelizmente não é inédito em sua carreira. Mesmo com a derrota do Botafogo para o Fluminense, Marcelo Mattos colheu elogios de todos os lado. Chamado de ‘xerife’ pelo técnico Vagner Mancini, o volante ressurgiu em General Severiano e virou peça-chave na luta do Alvinegro contra o rebaixamento.

“Foi um xerife em campo. É um jogador que determina o que vai ocorrer no jogo. Muita imposição física, entra na jogada para ganhar em todas as divididas. Isso é notório. Tem muita confiança e passa energia aos companheiros. Não só para jogadores do meio de campo, mas para o time todo. Percebeu-se a diferença da equipe com ele em campo”, disse o técnico Vagner Mancini.

Com o retorno de Marcelo Mattos aos gramados, o Botafogo deverá manter uma escalação mais defensiva até o fim da competição. Isso porque o volante poder criar uma situação de contágio com os companheiros e deixar o time mais forte. Foi o que aconteceu diante do Fluminense, com ele jogando ao lado de Gabriel e Andreazzi.

Além disso, a ausência de Marcelo Mattos por tanto tempo do time foi uma das principais lamentações de Vagner Mancini após a derrota para o Fluminense. Ele não tem dúvida. O Botafogo estaria em situação melhor se o volante tivesse atuado mais vezes neste Brasileiro.

“Minha intenção é fortalecer a defesa porque ele [Marcelo Mattos] contagia o sistema defensivo com jogadores como Gabriel e Andreazzi ao seu lado. Ao longo do jogo sentiu um pouco de cansaço devido ao tempo parada, mas suportou muito bem. Não tenho dúvidas que se ele tivesse jogando a mais tempo, a situação seria outra. Teríamos conseguido ir melhor, pois precisamos de um jogador como ele a frente da zaga”, concluiu.

Com a derrota para o Fluminense, o Botafogo permanece com 33 pontos na 18ª colocação do Campeonato Brasileiro. O Alvinegro volta a campo na próxima quarta-feira, quando receberá o Figueirense, em São Januário.

Fonte: UOL