Apresentado, Júnior Santos relembra início no futebol amador e diz: ‘É a realização de um sonho vestir a camisa do Botafogo’

40 comentários

Por FogãoNET

Compartilhe

Apresentado, Júnior Santos relembra início no futebol amador e diz: ‘É a realização de um sonho vestir a camisa do Botafogo’
Vitor Silva/Botafogo

Apresentado oficialmente pelo Botafogo nesta quinta-feira, no Estádio Nilton Santos, Júnior Santos foi recepcionado pelo diretor de futebol André Mazzuco. O atacante recebeu elogios e a camisa oficial das mãos do dirigente.

– Estou apresentando mais um reforço dessa segunda janela, o atleta Júnior Santos, reforço que vem para o setor ofensivo, de muita força, muita velocidade, acompanho desde Ituano e Ponte Preta. Nos entrega característica interessante, faz todas as posições do setor ofensivo, atua como 9 centralizado, como ponta, faz bem os corredores. Trazemos para ter mais leque de opções para o Luís Castro. Vem jogando, é o atual artilheiro da Copa do Japão, vem para contribuir em setor que ganhamos mais uma grande opção para esse segundo turno do Brasileiro. Seja feliz e muito sucesso conosco – destacou Mazzuco.

Júnior Santos destacou a felicidade no acerto com o Botafogo.

– Para mim é a realização de um sonho estar aqui vestindo a camisa do Botafogo, clube muito grande, tem muita tradição no futebol brasileiro. Um dos motivos, além da grandiosidade e da tradição, é o projeto que está sendo elaborado. O Botafogo vem se reestruturando, reformulação muito boa, estou muito feliz de estar aqui – contou Júnior Santos, que já está pronto para jogar domingo, contra o Juventude.

– Tenho expectativa sim, sempre acontece. Cheguei, estou treinando com o grupo, estava jogando no Japão. A parte física está boa. Sofremos um pouco com readaptação, horários, mas tenho treinado e me dedicado, estou pronto para fazer a estreia. Depende do treinador, se observar que tenho condições de ir para o jogo, vou e vou fazer meu melhor – garantiu.

O atacante contou que não teve passagens por clubes nas divisões de base e começou no futebol amador, o que valorizou bastante. Ele se profissionalizou aos 23 anos.

– Foi uma batalha muito grande. Cheguei a desistir de ser jogador profissional, jogava como amador, me destacava, até que tive oportunidade no Osvaldo Cruz. Conhecei meu empresário, fui para o ituano, em três meses de profissional tinha quatro gols no Campeonato Paulista, fui jogar a Série B, fui vice-artilheiro da Ponte Preta, Rogério Ceni pediu minha contratação no Fortaleza, onde fui artilheiro da Copa do Nordeste, campeão da Copa do Nordeste e Cearense. Fui o craque da galera, tive muito destaque. Ficou uma boa repercussão em relação a ter vindo do amador e ter grandes feitos no profissional em pouco tempo. No amador tem muitos jovens que às vezes precisam de pessoas olhando. O diamante vem da lama, aí lapida e ele é valorizado. A minha mensagem é que continuem acreditando, batalhando sempre, porque da várzea vão vir grandes atletas para representar o futebol brasileiro. Nossa raiz é de jogadores que saíram do terrão, jogavam descalços e protagonizaram grandes feitos no futebol brasileiro – declarou.

Leia outras respostas:

Passagem pelo Japão

– A ida para o Japão foi muito difícil no começo, você chega lá acostumado com feijão e arroz, tinha que comer verdura, arroz, as carnes são diferentes, tempero diferente. Foi difícil a adaptação. Muitas vezes achamos que o futebol japonês é fácil de jogar, não é, você tem que se adaptar e mudar sua característica. Consegue, tive destaque, saí como um dos grandes jogadores da J-League, evoluí bastante. Aqui no Brasil tinha um ano de profissional, precisava amadurecer, hoje me sinto mais completo, evoluí dentro das minhas características.

Meta no Botafogo

– Minha meta é conseguir ajudar o Botafogo da melhor maneira possível e chegar aos 58 gols no fim do ano (tem 50 na carreira como profissional). Chego com muita confiança, vou me dedicar bastante nos treinamentos. A cada dia você se prepara, na alimentação, no sono. Tenho me preparado bastante, focado nos jogos, para conseguir essas metas e ir o mais longe possível.

Características

– Como foi dito aqui, além de atuar pelo centro, consigo ter mobilidade e finalizar bem. Minha característica é diferente da do 9, procuro ter mais mobilidade, tentar um o um a contra um, de frente para o marcador. Acredito que vocês vão ver muito isso aí nos jogos.

– Consigo sim fazer outra função, jogar de lado. Inclusive na Ponte Preta conseguimos nove vitórias consecutivas com o Gilson Kleina, em 2018, a maioria dos jogos atuei pelos lados. É uma das minhas características essa flexibilidade.

Expectativa

– Acredito que o Botafogo está passando por uma reestruturação, os jogadores estão se conhecendo, se adaptando ao estilo de jogo, leva-se um tempo. O time precisa de entrosamento, estão chegando jogadores novos, enquanto tem times aí com quatro, cinco anos jogando junto, o que melhora a qualidade. As expectativas são as melhores, estou focado, quando tiver a oportunidade vou tentar fazer meu trabalho e gols. Só vou poder mostrar algo dentro de campo. Minha expectativa é chegar e fazer gols, acredito que vou conseguir corresponder.

Fonte: Redação FogãoNET e Botafogo TV

Notícias relacionadas