Bicampeão da Série B, Botafogo busca fórmula para se estabilizar na elite

18 comentários

Por FogãoNET

Compartilhe

Bicampeão da Série B, Botafogo busca fórmula para se estabilizar na elite
Vitor Silva/Botafogo

O Botafogo já tinha subido. Agora é bicampeão da Série B, aquele título agridoce, que divide o coração do torcedor: ao mesmo tempo que a segunda taça veio com a marca de uma ótima arrancada no returno, resgatando uma sintonia entre time e torcida — com direito à expectativa de 40 mil torcedores na festa da taça, domingo, no Nilton Santos — o alvinegro deseja nunca mais celebrá-lo.

A comemoração, no caso dos alvinegros, deve ser até prolongada, de ontem, após a vitória sobre o Brasil-RS por 1 a 0, gol de Diego Gonçalves (o time se beneficiou da derrota do Coritiba para o CSA), até o próximo domingo, quando enfrentará o Guarani no Nilton Santos, no jogo em que levantará a taça. Mas ainda assim estará sempre intercalada com a pergunta: como não cair novamente e evitar a necessidade de campanha pelo tri?

O fenômeno do time ioiô é recorrente no futebol brasileiro. A Chapecoense, que caiu em penúltimo em 2019, foi campeã da Série B em 2020 com grande campanha. Este ano, está matematicamente rebaixada para a segunda divisão desde a 31ª rodada. O Coritiba, que sobe este ano com o Botafogo, não consegue emplacar uma sequência firme na elite desde 2017.

Começo difícil

O primeiro ano é sempre o mais difícil. O clube precisa caminhar no fio da navalha, entre a necessidade de fortalecer o futebol e também respeitar seu orçamento, ainda inferior ao dos times que já estão há mais tempo na divisão superior.

O desconforto começa já no olhar para dentro: reconhecer que um elenco vencedor da Série B provavelmente não dá conta de uma Série A com adversários bem mais qualificados, técnica e até fisicamente. O Botafogo terá de passar por esse processo duro de reestruturação, batalhando para manter os mais valorizados, com a concorrência de clubes mais fortes — caso de Navarro, desfalque quase certo em 2022 —, e dispensando aqueles que bateram no teto de desempenho.

— É preciso entender rapidamente o tamanho, a grandeza e o nível de disputa da Série A. É uma competição bem diferente, desde a qualidade dos gramados até o nível dos adversários, passando pela arbitragem. São muitas variáveis e o clube deve estar cercado de profissionais que conheçam bem a competição — afirmou Marcelo Paz, presidente do Fortaleza.

O dirigente fala com conhecimento de causa. A equipe subiu à Série A pela última vez no ano de seu centenário, em 2018, com o título da Série B. Em 2019, fez boa campanha na elite, terminando na nona colocação. Ano passado, se segurou na primeira divisão com o 16º lugar, e era justamente de dois anos na elite que precisava para respirar melhor. Este ano, é quinto colocado, com a vaga na Libertadores, a primeira de sua história, muito bem encaminhada. Para a alegria de Paz:

— De início, você vai brigar mais na parte inferior da tabela. Por isso, é preciso montar um elenco com esse perfil, dentro de uma realidade econômica difícil, porque você não tem tanta receita quanto quem já está na Série A. Existe o risco da contratação: para trazer jogadores mais qualificados, eles querem contratos de dois anos ou mais. E quem está gerindo fica em dúvida de dar um contrato mais longo para esse jogador, ciente do risco de cair novamente e ficar com a conta altíssima que não pode pagar.

Largada atrás

A desvantagem de quem sobe da segunda para a primeira divisão não se resume ao aspecto financeiro. O planejamento é mais difícil de ser executado. Ao menos metade das equipes da Série A já têm noção, na metade da temporada, de que seguirão na elite no ano seguinte e podem trabalhar em função dessa realidade. Já o Botafogo, assim como os outros três que subirem este ano, estará saindo atrás, uma vez que somente é possível confirmar seu destino ao fim da Série B.

— Muitos times da Série A, em agosto, já estão mapeando o mercado, acionando jogadores. O Botafogo pode até ter algo em vista, mas é impossível fazer acordos, assinar pré-contratos, sem ter a definição de algo tão importante — ressaltou Renê Simões, técnico do alvinegro em parte da campanha do primeiro título da Série B, em 2015.

Fonte: O Globo Online

Notícias relacionadas