Comentarista: ‘Grande problema do Botafogo é que não consegue controlar jogo. Vai sofrer até o fim do ano por isso’

102 comentários

Por FogãoNET

Compartilhe

Comentarista: ‘Grande problema do Botafogo é que não consegue controlar jogo. Vai sofrer até o fim do ano por isso’
Vitor Silva/Botafogo

O Botafogo começou o segundo turno do Campeonato Brasileiro perdendo para o Corinthians por 1 a 0 e empatando em 1 a 1 com o Ceará. Para o comentarista Sérgio Xavier Filho, no “Troca de Passes”, do “SporTV”, este último resultado deixou um sinal de alerta.

– As boas notícias do Botafogo são Jeffinho – já de algumas rodadas, mas ainda imaturo, falta algumas coisas-, o Eduardo e o Lucas Fernandes, que deu consistência, chegada e velocidade. O grande problema do Botafogo, vai sofrer até o fim do ano por isso, é que não consegue controlar jogo. Sempre está deixando espaços, tem buraco no campo. O técnico até poderia mudar tudo, se fechar, fazer 5-4-1, mas não tem perfil para fazer isso – explicou Sérgio Xavier Filho.

O comentarista Carlos Eduardo Mansur pensa de forma parecida.

– O Botafogo vinha sendo ao longo do campeonato um time sem pausa, de sucessão de golpes e contragolpes. É curioso que o jogo com o Santos consegue estabelecer mais ritmo, controle, pausa, hoje voltou a ser time que se descontrola, vive em aceleração e precipita decisões. Hoje imaginei um jogo mais de controle, porque o início do trabalho foi de dificuldade para definir o trio de meias. Agora é a linha defensiva. Se Luís Castro tivesse encontrado um time já, seria a grande surpresa, pela quantidade de problemas que teve. Chegou a ir para linha de cinco para conter sangria, para dar estabilidade. O Botafogo era um trabalho dificílimo, uma casa sendo construída com as pessoas morando dentro, com jogadores vindo de origens distintas. Estranho seria se fosse um voo de cruzeiro – argumentou Mansur, que também analisou a partida.

– O jogo no início parecia que ia ser muito aberto, como acabou sendo o final. Com o meio despovoado. O gol do Cuesta no início condicionou o jogo, o Ceará tentou valorizar mais a bola, se instalar, com o Botafogo se defendendo e apostando em transição, mas não conseguiu. O Ceará era melhor e conseguiu o empate em um escanteio. A partir daí veio um jogo de trocação franca. No balanço, as melhores chances foram do Ceará. Luís Castro tenta Vinícius Lopes e Matheus Nascimento, que entra ansioso, instável, sob pressão, o time se desordenou mais do que se organizou para buscar a vitória. O Ceará foi encontrando espaços, teve as melhores chances, mas o 1 a 1 não chega a ser um absurdo – completou.

Fonte: Redação FogãoNET e SporTV

Notícias relacionadas