Dirigente do Botafogo ainda crê em união de clubes por liga: ‘Maior parte da diferença já foi superada. Ela vai ser transformadora’

11 comentários

Por FogãoNET

Compartilhe

Thairo Arruda e Felipe Ximenes
YouTube/Lance!

A liga do futebol brasileiro já esteve em pauta, pareceu próxima, mas ficou mais distante com a divisão dos clubes em blocos. CEO do Botafogo, Thairo Arruda ainda acredita que haverá uma união que será benéfica para todo o futebol brasileiro.

A questão da liga vai ser um marco no futebol brasileiro, todos querem, por um motivo ou outro ainda não aconteceu. Olho sempre do ponto de vista otimista, acho que uma hora vai acontecer. Há um ano discutíamos como vai ser distribuído o dinheiro entre os clubes. Hoje não existe mais essa discussão, já são outras. Essa pauta está superada, era um problema tão grande que vinha desde o Clube dos 13. Acredito que superamos esse momento, estamos evoluindo para uma união em algum momento. Hoje existem dois blocos, muito também porque existem dois investidores e assessores, e alguns detalhes de governança que separam essa união. A maior parte da diferença já foi superada. Espero que, se não esse ano, no próximo ano consigamos ver a liga formada – disse Thairo, ao podcast “Futebol Além do Óbvio”, do “Lance!”.

Com uma união, o dirigente crê que o produto poderá ser melhor vendido.

– Por que isso é bom para a governança? Porque conseguimos com isso privatizar a gestão da liga brasileira. Hoje em dia quem vende nossos direitos lá fora? A 1190 comprou os direitos internacionais, faz a distribuição e fica com a maior parte do lucro, os clubes ganham pouco. Quando você tem gestão centralizada, pode ordenadamente vender os direitos lá fora e vender melhor aqui dentro do nosso território. Por exemplo, quando vende os direitos do Brasileirão, pode falar “quem paga mais?” Vão ter as emissoras, TV aberta, TV fechada, e mais players brigando por aquele produto. Só que eventualmente você não extrai o melhor valor se vende tudo para um só. O ideal, que já aprendemos com o mundo, é fatiar os direitos, vender o primeiro pacote, premium, com direito a escolher os jogos, o segundo pacote, que escolhe na sequência… Quando fatia, você não pega só uma emissora, pega todas. Dá a chance de ter a Globo junto com o SBT transmitindo o mesmo campeonato. Isso é feito lá fora e maximiza o retorno aos clubes. Quando maximiza, dá mais condição aos clubes de ter infraestrutura melhor, produto melhor, gera ciclo virtuoso de geração de valor dentro dessa indústria. Isso é importante até para Seleção Brasileira, que depende dos clubes, eles que formam atletas, investem na base. Se tivermos mais clubes com mais condições financeiras e estruturais, consequentemente teremos melhores atletas para a Seleção – detalhou Thairo.

Além de que a concorrência do nosso produto é mundial. Você bate na porta da Espanha e diz “quer comprar o Campeonato Brasileiro?” Ninguém quer. Nossos horários são horríveis, 3h da manhã lá, não vão comprar isso. Nosso produto é ruim, experiência ruim, estádios vazios, brigas, um produto depreciado. Quando a Espanha tem um espaço no seu canal vai escolher a Premier League, a MLS, qualquer outro produto. Quando criamos uma liga nova, profissionalizamos, criamos novas regas, acabamos competindo mais de igual para igual com outras ligas do mundo – ponderou.

Thairo Arruda ainda projetou como espera que o futebol nacional esteja nos próximos cinco anos.

Eu acho que temos uma tendência de crescimento natural do nosso futebol, pelo advento da nova liga, que vai ser transformadora. Os clubes, também pelo fair play financeiro, têm tudo para se estruturar melhor. Vislumbro os clubes com mais estrutura física, uma base melhor. Muitos clubes vão ter grandes academias (base) para geração de talento. Devemos ver nos próximos cinco ou dez anos mais Vitors Roques, mais Matheus Nascimentos, outros grandes atletas vindo da base, um produto melhor na TV. Temos que pensar fora da caixa do ponto de vista do streaming, como vamos nos conectar com o torcedor. Tem muita coisa que conseguimos vislumbrar, é esse meu sonho, que os clubes realmente vivenciem esse crescimento na próxima década – completou.

Fonte: Redação FogãoNET e Lance!

Notícias relacionadas