Mulher ‘infiltrada’ por jogador do Botafogo em hotel e cobrança de pagamento de ‘senhoras’ em CT: ex-dirigente revela histórias de bastidores

50 comentários

Por FogãoNET

Compartilhe

André Silva, ex-dirigente do Botafogo
Reprodução/Glorioso Connection

Ex-dirigente do Botafogo, André Silva foi vice-presidente de futebol, chefe de delegação e sempre foi próximo a jogadores. Em entrevista ao podcast “Glorioso Connection”, no YouTube, ele contou histórias curiosas de bastidores.

Uma delas foi com o ex-meia Zé Roberto.

– Zé Roberto foi o único jogador que conseguiu me dar uma volta. Você tem todo o trabalho quando vai jogar em um cidade, faz um raio-x das pessoas no hotel, para ver se não tem mulheres, procura isolar os jogadores em um andar só para eles. Fomos para Caxias do Sul jogar com o Juventude, foi inacreditável. Fizemos o monitoramento, falaram que tinha uma empresária no andar, mas ela estava a semana toda, saía para trabalhar de manhã e voltava tarde. Houve um problema porque estava muito nevoeiro, não se sabia se ia ter jogo ou não. Fomos para o estádio. O voo foi transferido para Porto Alegre no dia seguinte. O jogo aconteceu no nevoeiro, foi 0 a 0, não se enxergava nada. No dia seguinte tínhamos que ir para Porto Alegre e nada do Zé Roberto descer. Subo para o quarto, a cama dele arrumadinha. Começam a procurar, procurar, estava no quarto da empresária. Na verdade, estava infiltrada, ele a colocou lá uma semana antes (risos). Ele foi o único cara… Nos encontrou no aeroporto só, falou a verdade. Foi punido, lógico, descontado do salário – recordou André Silva.

Outra história, esta com nome do jogador não revelado, foi uma cobrança de um serviço peculiar em frente ao CT do Botafogo.

– Estava dormindo, 5h da manhã, toca meu telefone. Era o porteiro da entrada do futebol em General Severiano, muito sério, funcionário antigo, evangélico. Ele me chamava de doutor, me pediu perdão por estar ligando. Disse que estava com problema sério, com duas “senhoras” que trabalharam para fulano de tal e não receberam. “Elas estão dizendo que vão esperar os repórteres para contar para eles”, porque ia ter treino de manhã. Fui lá, elas queriam R$ 10 mil cada uma. Eu disse que era impossível, era extorsão, ameaçaram falar com os repórteres. Eu estava puto com o jogador também. Não baixei tanto, ele que ia pagar, não era eu ou clube. Negociamos R$ 5 mil para cada uma, mas só podia sacar depois de 7h da manhã. Tive que sair fazendo ratatá na casa de diretores e vice-presidentes para pagar as “senhoras”. Aí conseguimos tirar as “senhoras” antes dos repórteres chegarem. Depois, disse a ele “você teve a foda mais cara da sua vida”. Na verdade, ele nunca recebeu um salário inteiro, para ele era normal – contou o ex-dirigente.

Já outro episódio aconteceu em uma pré-temporada.

– Tive outro jogador, esse eu me chateei bastante, já era vice-presidente. Estávamos fazendo pré-temporada em Niterói, no Caio Martins, e ficávamos em um hotel. Não tínhamos dinheiro. Deu de manhã, o jogador não estava no quarto. Dormiam sempre dois jogadores, perguntamos para o outro, mas jogador não entrega jogador em hipótese alguma. O Anderson (Barros, gerente de futebol) me liga, vou para lá, vamos ver as imagens das câmeras do hotel. Eram duas torres, o jogador às 21h sai de uma torre falando com o segurança, o segurança disse que ele falou que ia conversar com o Ney Franco, e ele na verdade vai para um quarto e perde a hora. Sai cinco minutos atrasado do horário do ônibus, botando chuteira. Pergunto a ele o que houve, ele disse “nada”. Não sabia que tínhamos as imagens. Eu disse que era a oportunidade dele de falar a verdade. Mas ele bancou, disse que não fez nada. Aí o Anderson disse que viu no quarto, ele perguntou “você viu na varanda? Eu estava dormindo lá”. Só que o cara era grande, a varanda era menor que uma mesa e tinha ar-condicionado de parede soltando calor para a área externa, em janeiro. Eu disse “quer dizer que você deixou de dormir em uma cama, no ar-condicionado, para dormir na varanda, no chão duro, com calor local e do ar-condicionado?”. Ele respondeu “É isso mesmo”. Completei “Então está bom, estou mandando você embora porque você é burro, gosto de trabalhar com jogador inteligente”. Mandamos embora – completou.

Veja o vídeo:

Fonte: Redação FogãoNET e Glorioso Connection

Notícias relacionadas