Perda do avô e paternidade criam casca em Diego Loureiro, do Botafogo: ‘Hoje estou no meu melhor’

9 comentários

Por FogãoNET

Compartilhe

Perda do avô e paternidade criam casca em Diego Loureiro, do Botafogo: ‘Hoje estou no meu melhor’
Vitor Silva/Botafogo

Diego Loureiro assumiu a titularidade do Botafogo a partir da 10ª rodada da Série B e encarou a responsabilidade de peito aberto. Aos 23 anos e formado na base alvinegra, o goleiro conta que a perda do avô Júlio, em 2019, e a recém-nascida filha Maitê mudaram sua vida e seus objetivos na carreira.

– O processo todo começou quando eu perdi o meu avô, que era a pessoa que me acompanhava. Isso me abalou bastante. Não tinha mais alegria para treinar, não soube lidar com o momento. O Paulo Ribeiro, psicólogo, começou a trabalhar comigo. Resolvi virar a chave, e foi no momento em que minha esposa revelou que estava grávida. Aí, percebi que não podia não dar 100% – disse Loureiro, ao “GE”.

– Eu tinha que ser o meu melhor todos os dias. Comecei a trabalhar com o meu preparador, Zilmar Quadros, mas com todo o acompanhamento aqui do clube. Hoje, estou no meu melhor tanto na parte física quanto na mental. Melhor percentual de gordura, melhor peso – completou.

Com atuações seguras em alguns jogos e à frente de seu concorrente direto Douglas Borges, Diego Loureiro também conviveu com críticas da torcida alvinegra, após algumas falhas. O goleiro diz que procura não acompanhar as redes sociais e que a cobrança é mais interna.

– Geralmente não acompanho, nem quando é bom, nem quando é ruim. Trabalhamos todos os dias para acertar. A posição defensiva é um pouco mais complicada, porque quando a gente falha o erro é muito maior. Nós falhamos talvez um, dois jogos. Eu falhei um jogo contra o CSA, que não foi uma falha normal, eu me cobro bastante. Só que a gente acertou muito mais do que errou. As cobranças são normais, fazem parte da nossa posição, e temos de saber lidar com a crítica – afirmou.

Fonte: Redação FogãoNET e GE

Notícias relacionadas