Sassá admite erro no Botafogo, se arrepende e tem vontade de voltar um dia: ‘Devo muito ao clube, está no meu coração’

224 comentários

Por FogãoNET

Compartilhe

Sassá, ex-Botafogo, no Charla Podcast
Reprodução/Charla Podcast

Sem clube após a saída do CSA, no fim de julho, Sassá deu entrevista sexta-feira (5/8) ao “Charla Podcast”. O Botafogo, que revelou o centroavante, foi um dos principais assuntos.

Sassá admitiu que errou em atos na saída do Botafogo, disse que o clube “está no coração” e tem vontade de um dia retornar ao Glorioso.

🎙️ Leia abaixo as declarações:

Início:

– Cheguei em 2009. É um clube que, quando comecei, entrei no Botafogo, não tinha noção. Jogava por jogar, não tinha noção de convocação para seleção de base, viagem, só queria jogar bola. Comecei no Botafogo lá em Marechal (Hermes), viajávamos muito, conheci muito coisa boa. Comprei minha casa pelo Botafogo, mudei a vida da minha família, fiquei dez anos, tenho uma história, sou o quinto maior artilheiro da história do Botafogo, é um clube que tenho bastante carinho.

Relação com a torcida

– A torcida do Botafogo comigo é uma mistura de amor e ódio, por causa de uma situação que aconteceu. Eu estava chateado com a diretoria e, no momento de raiva, de querer me expressar de uma forma, me expressei de outra, que foi para o lado negativo.

A polêmica

– Em 2016, eu estava em uma fase muito boa, era artilheiro do campeonato, estava eu, Robinho e Gabriel Jesus. Meu contrato estava para vencer, podia assinar pré-contrato, mas não queria sair do Botafogo. Porque meu filho tinha acabado de nascer e eu gosto para caramba do Botafogo, me criei no clube. Só que eu ganhava x, os caras me ofereceram x. Eu falei “que loucura que vocês estão fazendo, sou artilheiro do campeonato”. Ganhava R$ 2, me ofereceram R$ 2,10. E contrataram dois atacantes ganhando três vezes mais. Falei que “não quero salário exorbitante, mas quero algo que me ajude também, dê um estímulo na vida”. Chegou proposta do Lokomotiv (RUS), eu falei que não precisava me pagar igual a eles, só metade, porque eu não queria ir embora. Ficou aquela guerra, me afastaram. Na época eu tinha 20 anos, era muito imaturo para as coisas que estavam acontecendo. O presidente falou que eu não ia, ia ficar pelo valor x ou seria afastado. Fiquei afastado. Chegou a situação do Cruzeiro, mandou um jogador. Mas na primeira entrevista eu estava com muita raiva da diretoria, porque não queria sair, estava em fase boa, no Rio de Janeiro, perto da minha família. Estava na fase meio boêmia, me perguntaram que em BH não ia poder sair, eu fui falar… Não estou tentando me justificar, aconteceu, não tem como voltar atrás, a palavra já foi dita. Falei “agora é outra coisa, estou em time grande”, mas não queria falar sobre o Botafogo, Deus sabe do meu coração. Por isso a torcida tem esse sentimento de amor e ódio. É uma parada que errei, assumi diversas vezes, me arrependo porque o clube está no meu coração, me formou, devo muito ao Botafogo. Foi coisa que aconteceu, não volta mais, bola para a frente, porque não vai acabar a minha vida por causa disso.

Maturidade

– Se fosse hoje ia tirar de letra, não ia chegar a esse ponto. Não ia ficar pelo valor que me ofereceram, mas ia acontecer alguma coisa. Estava em fase muito boa, não viram perspectiva, graças a Deus fui para o Cruzeiro e as coisas deram certo lá.

Tem vontade de voltar?

– Sim. Se falar que a torcida não gosta de mim, não está mentindo. Fui um cara muito importante em algumas fases. É um clube que tenho carinho grande e a torcida sabe a admiração e o respeito que tenho.

📺 Veja o vídeo abaixo:

Fonte: Redação FogãoNET e Charla Podcast

Notícias relacionadas