‘Era um time que adorava jogar junto. Ia para jogos com convicção da vitória’, recorda Barroca, sobre título na base do Botafogo

23 comentários

Por FogãoNET

Compartilhe

Eduardo Barroca, ex-técnico do Botafogo
YouTube/Storicast

Hoje treinador profissional, sem clube após sair do Bahia, Eduardo Barroca teve uma passagem marcante na base do Botafogo. Em 2016, o time foi campeão brasileiro e carioca sub-20, revelando diversos jogadores.

Em entrevista ao canal “Storicast”, Barroca contou como foi assumir aquela equipe.

– Ali eu já tinha vivido muitos anos como auxiliar técnico profissional, recebi o convite para ser técnico do sub-20 e sub-23 do Botafogo. Foi uma experiência muito legal. Cheguei em um grupo de jogadores que já tinha um trabalho. Dali conseguimos ótimos resultados esportivos e promoção de muitos jogadores ao profissional, de forma muito legal. Era um grupo de jogadores que gostava de jogar junto. Adorava. Eles iam para os jogos com convicção de que iriam ganhar de qualquer um e a postura era impressionante, tinham imposição dentro de campo. É espetacular para o treinador ter um grupo de jogadores com esse tipo de confiança individual e neles mesmo. Tanto que ganhamos um Campeonato Brasileiro Sub-20 com soberania, vencendo o Corinthians por 2 a 0 na Arena e ainda perdendo pênalti. Do time que jogou a final, só um jogador não vestiu a camisa no profissional. Se for pegar do grupo, 18 ou 19 jogadores vestiram a camisa. Isso é atípico – contou Barroca, que recordou os jogadores.

– Teve Diego Loureiro, Marcinho, Marcelo Benevenuto, Kanu, Victor Lindenberg, Bochecha, Matheus Fernandes, Alison, que era um meia que foi o único que não jogou. Teve o Jordan, Yuri, Renan Gorne e Pachu. Todos jogaram no profissional, de uma geração inteira. E ainda teve Rickson, Ezequiel, Jonathan, diversos jogadores que conseguiram romper e jogar – acrescentou.

O bom trabalho abriu portas para o técnico, que assumiu o profissional do Botafogo duas vezes posteriormente e seguiu desenvolvendo sua carreira em outros clubes.

– Cheguei em uma troca de treinador, era o Maurício Souza, que agora estava no Vasco. Não tinha muita expectativa de trabalhar em base naquele momento, mas fui e foi a melhor coisa que fiz naquele momento. Foi muito bom trabalhar com aquele grupo e no Botafogo novamente – completou.

Fonte: Redação FogãoNET e Storicast

Notícias relacionadas