Usamos cookies para anúncios e para melhorar sua experiência. Ao continuar no site você concorda com a Política de Privacidade.

Análise: bola nos pés e nada na cabeça. Falta criatividade ao Botafogo em derrota no Maranhão

26 comentários

Blog da Redação

Blog da Redação

Compartilhe

Elenco - Sampaio Corrêa x Botafogo
Reprodução/Premiere

Contra o Sampaio Corrêa, o Botafogo teve 64% da posse de bola, mas não soube o que fazer com ela. O Glorioso perdeu por 2 a 0 e acumulou a segunda derrota consecutiva na Série B. O time agora ocupa a nona posição e já vê o G4 a quatro pontos de distância. A arbitragem foi protagonista do jogo mais uma vez ao deixar de validar um gol de Ronald.

No primeiro jogo após a venda do lateral esquerdo Paulo Victor, Guilherme Santos foi o único jogador da posição relacionado por Marcelo Chamusca. Rafael Carioca, a outra opção do elenco, não viajou com o grupo e pode deixar o clube. Lateral de origem que passou ao meio-campo por características físicas e técnicas, Guilherme teve o desafio de substituir o jovem lateral, um dos destaques do Botafogo na temporada com o maior número de desarmes e uma importante função ofensiva. Depois de sofrer uma concussão na partida contra o Londrina, Ronald voltou ao time titular como boa alternativa de velocidade pelo lado direito.

Análise Sampaio Corrêa x Botafogo

Mochilas, bolsas e carteiras da coleção FogãoNET da Estilo Piti

O treinador Felipe Surian assumiu o Sampaio Corrêa depois de levar a Portuguesa às semifinais do Campeonato Carioca sofrendo oito gols nos 11 jogos da primeira fase. No time maranhense repete o bom desempenho defensivo e sofreu apenas dois gols nas primeiras seis rodadas. Chay, que já participou diretamente de quatro gols na Série B, trabalhou com o treinador no time da Ilha do Governador e recebeu atenção especial.

Desde os primeiros minutos, a movimentação do atacante alvinegro da ponta esquerda para a faixa central do campo deixou evidente a importância da subida de Guilherme para atacar o lado esquerdo. Faltou velocidade, arranque e habilidade de drible ao lateral para aproveitar melhor os espaços criados por Chay e oferecidos pela defesa do Sampaio.

No embate entre dois dos times com a menor média de posse de bola do campeonato (Botafogo – 44.4%, Sampaio Corrêa 45.8%), coube ao Glorioso mudar o estilo e jogar com a bola nos pés procurando construir jogadas à base de passes curtos e um ataque posicional. O número de passes certos trocados no primeiro tempo evidencia essa mudança: foram 210 passes trocados nos 45 minutos iniciais. A média do Botafogo na Série B é de 243 passes por jogo, a pior da competição. O que a análise fria dos números de posse e troca de passes não mostra é que o time mostrou novamente pouca criatividade para criar contra uma defesa postada. As melhores oportunidades alvinegras surgiram em jogadas de velocidade e contra-ataque. Rafael Navarro teve a primeira grande chance de abrir o placar, mas chutou fraco e desperdiçou frente a frente com o goleiro. No total foram oito finalizações alvinegras na etapa inicial, seis delas de fora da área.

Análise Sampaio Corrêa x Botafogo

Mais uma vez, um pênalti mudou o destino do Alvinegro em um jogo. Aos 27 minutos, bola na mão de Ronald e 1 a 0 para o adversário no placar. A cobrança da penalidade foi a única finalização a gol dos maranhenses no primeiro tempo. O gol deixou o time ainda mais confortável em se defender e procurar saídas esporádicas em contra-ataques. O Botafogo tinha 61% da posse de bola no momento em que sofreu o gol e terminou a etapa inicial com 65%. Contudo, a bola ficou de intermediária a intermediária em metade do tempo de bola rolando.

A alternativa de Chamusca para buscar o empate foi a entrada de Diego Gonçalves no lugar de Chay, mesma alteração que o treinador fez no intervalo do último jogo. Embora não fizesse um bom jogo, chamou a atenção que o jogador mais criativo do time tenha sido escolhido para deixar o campo pelo segundo jogo seguido. Marco Antônio também tem tido atuações abaixo do esperado, mas parece gozar de mais prestígio com o treinador. A função designada a Diego foi a de atuar aberto pela esquerda para atacar o espaço que Guilherme não foi capaz.

Análise Sampaio Corrêa x Botafogo

O segundo tempo repetiu o cenário da etapa inicial. Embora o Sampaio Corrêa tenha ameaçado a defesa alvinegra em contra-ataques, o Botafogo ocupou o campo de ataque e conseguiu jogar mais próximo ao gol adversário. Aos nove minutos, em lance capital, a arbitragem não enxergou um gol legal de Ronald. A bola atravessou cerca de um metro a linha do gol, mas nem árbitro nem auxiliar marcaram o gol. Apesar do erro evidente, o time não se desestabilizou como em outras situações semelhantes e seguiu buscando o gol. Ronald cresceu no jogo e criou ótima chance pela direita em que Pedro Castro finalizou em cima da zaga.

O Botafogo teve a bola, mas mostrou pouco repertório para criar durante todo o jogo. O Sampaio Corrêa ainda ampliou o placar no final do jogo, aproveitando a desorganização da defesa alvinegra na transição defensiva.

A segunda derrota consecutiva traz questionamentos à inefetividade das escolhas de Chamusca. Diego Gonçalves foi o único jogador que veio do banco que teve atuação correta, deu mais intensidade ao time e apareceu bem no ataque, apesar de falhar alguns gestos técnicos. As outras substituições, no entanto, não acrescentaram nada ao time alvinegro.

Rafael Moura entrou aos 30 minutos e pouco tocou na bola. Ricardinho substituiu Pedro Castro, procurou bastante o jogo, mas produziu pouco. Felipe Ferreira tentou quatro passes e só acertou um. Faltam ideias, criatividade, inspiração e treinamento para o time ser capaz de controlar e exercer pressão sobre adversários recuados e reativos. Hoje, para vencer o Botafogo basta dar bola aos jogadores alvinegros e acertar alguns contra-ataques.

Análise Sampaio Corrêa x Botafogo

Na próxima quarta-feira (30), o Botafogo vai até Volta Redonda jogar contra o Vitória.

Números do jogo:

Posse de bola – BOT 64% x 36% SAM
Passes certos – BOT 396 (84%) x 195 (72%) SAM
Cruzamentos – BOT 7/24 (29%) x 1/11 (9%) SAM
Bolas longas – BOT 35/55 (64%) X 23/52 (44%) SAM
Finalizações – BOT 16 (5 no gol) x 7 (5) SAM
Finalizações dentro da área – BOT 9 X 5 SAM
Chances claras – BOT 2 x 2 SAM
Desarmes – BOT 8 X 24 SAM
Faltas – BOT 4 x 19 SAM

Fonte: Redação FogãoNET

Notícias relacionadas
Comentários