Análise: Botafogo joga para empatar contra o Goiás e perde chance de chegar à liderança; podia ser melhor

26 comentários

Blog da Redação

Blog da Redação

Compartilhe

Análise Goiás x Botafogo

Qual o limite da ambição de Enderson Moreira? O Botafogo voltou a decepcionar fora de casa e não passou de um empate em 1 a 1 com o Goiás. O capitão Joel Carli marcou o gol do empate alvinegro. Além do resultado, o desempenho ruim e a postura recuada foram assuntos do jogo. O Glorioso perdeu mais uma chance de ultrapassar o Coritiba e chegar ao primeiro lugar na tabela.

O brilhante desempenho como mandante sustenta a boa fase alvinegra e pode, por si só, garantir o acesso caso o time vença os três jogos restantes no Nilton Santos. Mas os resultados e os desempenhos inconstantes como visitante são a pedra no sapato do trabalho de Enderson. Com o treinador, o Botafogo alcançou três vitórias, quatro empates e duas derrotas longe do Rio de Janeiro, aproveitamento de 48%. Por trás dos números, grandes atuações contra Coritiba no Couto Pereira e Remo no Baenão e, também, jogos pouco inspirados nas últimas visitas a Cruzeiro, Vitória e CSA. Se dentro de casa o Glorioso tem cara e jeito de campeão, fora patina como um time de meio de tabela, com altos e baixos.

Mas a pouco mais de um mês do fim da temporada, não se espera grandes transformações na equipe para corrigir essa inconsistência. Enderson Moreira repetiu a mesma escalação que iniciou o jogo contra o Brusque. A boa atuação de Hugo lhe garantiu a posição na lateral-esquerda e manteve Carlinhos no banco. A entrada de Marco Antônio era uma possibilidade, mas o treinador optou por dar confiança a Diego Gonçalves, que ainda busca a melhor forma depois de retornar de lesão.

Análise Goiás x Botafogo

Com o empate entre CRB e Coritiba, o Botafogo entrou em campo sabendo que uma vitória levaria o time à liderança da Série B. A postura do time foi recuar as linhas, esperar o Goiás no próprio campo e explorar bastante as bolas longas e a velocidade pelas pontas. Por dentro, Chay começou muito marcado, sem conseguir dar o toque de criatividade que a equipe espera. Logo aos quatro minutos, erro coletivo na defesa alvinegra e gol do Esmeraldino. Warley recuou no contrapé de Daniel Borges, Diego Loureiro saiu do gol de forma atabalhoada e a meta ficou aberta para o adversário marcar.

O gol marcado no começo poderia ter definido o andamento do jogo, se o Botafogo não desse a resposta logo a seguir. Aos nove minutos, depois de uma cobrança de falta que parou na barreira, Chay teve espaço para dominar, levantar a cabeça e encontrar Carli na segunda trave. O capitão escorou para o meio da área e a bola morreu no canto esquerdo do goleiro Tadeu. O Botafogo não sentiu o gol, mostrou personalidade para buscar o empate e voltar ao jogo. Com 1 a 1 no placar, o jogo ficou aberto.

Os dois times encontraram espaços pelo lado esquerdo do ataque, principalmente. O Glorioso teve em Hugo sua maior e mais incisiva arma ofensiva. Diego Gonçalves fez outra atuação fraca do ponto de vista técnico e também físico. Por isso e pela pouca dinâmica no meio-campo, faltou ajuda para o lateral construir jogadas coletivas. Na defesa, a postura confusa de Warley sobrecarregou Daniel Borges. O adversário identificou a fraqueza e procurou a todo momento jogar em velocidade em cima do lateral alvinegro, especialmente com o atacante Alef Manga.

Análise Goiás x Botafogo

Aos poucos, o Esmeraldino tomou conta do jogo. O Botafogo não conseguiu responder à intensidade e à velocidade que os donos da casa impuseram no jogo. O primeiro tempo terminou com 12 finalizações dos goianos e contra apenas três alvinegras. Depois da falha no gol, Diego Loureiro apareceu fazendo boas defesas. Em um jogo que se desenrolou pelas laterais, o aproveitamento nos cruzamentos ajuda a explicar a superioridade do Goiás nos 45 minutos iniciais. Os dois times abusaram das bolas levantadas na área e cada um cruzou 14 vezes, com seis cruzamentos certos dos adversários contra apenas dois do Botafogo.

Com os desempenhos apagados dos pontas, era esperada a entrada de Marco Antônio. A escolha de Enderson foi uma troca de laterais, com a entrada de Carlinhos no lugar de Hugo. A alteração mostrou uma preocupação maior do treinador em corrigir a marcação pelas laterais do campo. Ofensivamente, Carlinhos não acrescentou nada que Hugo já não estivesse fazendo. Assim, o maior problema da equipe não foi corrigido e o jogo continuou a não fluir pelas beiradas. E outras dificuldades também ficaram evidentes. A compactação defensiva não funcionou e o Goiás encontrou espaço para jogar na entrada da área alvinegra, apesar do jogo competente de Barreto e Pedro Castro nos cortes e desarmes. O Botafogo também não conseguiu colocar Navarro na partida e acionar o centroavante no pivô para um jogo de aproximação.

O Glorioso pouco jogou no segundo tempo. Aos 22 minutos, Chay sofreu entrada dura e saiu machucado. Marco Antônio entrou no lugar do camisa 14. A essa altura, o Botafogo tinha 28% da posse de bola no segundo tempo e quase não era visto no campo de ataque. Apesar de toda a posse, o Goiás também não foi capaz de pressionar e criar chances de gol. Enderson ainda aproveitou a parada para substituição para colocar Luís Oyama no lugar de Barreto. O treinador procurou colocar mais um jogador capaz de acertar lançamentos para encontrar alguma alternativa de transição ofensiva.

Análise Goiás x Botafogo

O ponto mais questionável nas escolhas de Enderson foi a manutenção de Diego Gonçalves em campo. Sem ritmo de jogo, lento na tomada de decisões, muitos erros técnicos e inexistente na sua principal característica, o drible O atacante permaneceu em campo durante todo o jogo, mesmo participando pouco do jogo e não oferecendo opções para o time. As últimas alterações do treinador foram as saídas de Warley e Navarro para as entradas de Luiz Henrique e Rafael Moura.

O empate não foi um resultado ruim para o Botafogo. Longe disso. A grande campanha desde a chegada de Enderson Moreira permite que o time comemore o ponto conquistado fora de casa. A seis rodadas do final, o resultado manteve o time a cinco pontos do CRB, o primeiro time fora do G4, e a sete ou oito pontos de uma pontuação que deve garantir o acesso. Mas o desempenho como visitante foi o que voltou a preocupar. Sobretudo, depois de um dos melhores jogos da temporada na última quarta-feira. O Glorioso finalizou apenas sete vezes, só duas em direção ao gol defendido por Tadeu. No segundo tempo, foi eficiente na defesa para não sofrer como na etapa inicial, mas faltou algo a mais para tentar sair com um resultado melhor e a liderança do campeonato.

Análise Goiás x Botafogo

O Botafogo volta a campo na próxima quarta-feira (3), às 19h, contra o Confiança no Nilton Santos. Embora ocupe a vice-lanterna da competição, os sergipanos não perdem como visitante há cinco jogos e ainda mostram força na luta contra o rebaixamento com uma única derrota nas últimas nove partidas.

Números do jogo: (Sofascore)

Posse de bola – BOT 43% x 57% GOI
Passes certos – BOT 172 (67%) x 265 (75%) GOI
Cruzamentos – BOT 5/22 (23%) x 6/24 (25%) GOI
Bolas longas – BOT 23/52 (44%) X 38/81 (47%) GOI
Dribles – BOT 6/6 (100%) x 8/15 (53%) GOI
Finalizações – BOT 8 (3 no gol) x 16 (6) GOI
Finalizações dentro da área – BOT 5 X 8 GOI
Chances claras – BOT 0 x 3 GOI
Disputas de bola vencidas – BOT 64 x 66 GOI
Disputas aéreas vencidas – BOT 23 x 27 GOI
Desarmes – BOT 18 X 15 GOI
Cortes – BOT 30 x 18 GOI
Interceptações – BOT 12 x 13 GOI
Faltas – BOT 16 x 18 GOI

Fonte: Redação FogãoNET

Notícias relacionadas