Análise: Dedé pode render bons frutos ao Botafogo, mas deve ser tratado como aposta

17 comentários

Blog da Redação

Blog da Redação

Compartilhe

Dedé, ex-Cruzeiro, está na mira do Botafogo
Vinnicius Silva/Cruzeiro

O zagueiro Dedé, de 33 anos, pode ser o próximo reforço do Botafogo. O jogador, que rescindiu com o Cruzeiro após longa batalha judicial em julho de 2021, assinaria um contrato de produtividade até o final do Campeonato Carioca com metas para a renovação automática. Convivendo com graves lesões desde 2014, Dedé treina desde setembro com o elenco do Volta Redonda para aprimorar a forma física.

Depois de um período de grande destaque no Vasco, quando conquistou a Copa do Brasil de 2011 e chegou à seleção brasileira, o zagueiro foi contratado pelo Cruzeiro para ser uma das estrelas do time que conquistaria o bicampeonato nacional de 2013 e 2014. Em 2013, foi eleito o melhor zagueiro do campeonato, figurando nas seleções do campeonato tanto na premiação da CBF quanto da Bola de Prata. No ano seguinte, manteve o alto nível de desempenho e o bom futebol, mas uma grave lesão no joelho direito interrompeu sua trajetória e deu início a uma sina que o acompanha desde então: as sucessivas cirurgias e longos períodos de inatividade.

Entre janeiro de 2015 e março de 2020, Dedé foi submetido a seis cirurgias, cinco no joelho direito e uma no esquerdo. Nas oito temporadas em que defendeu o Cruzeiro, o zagueiro ficou longe dos gramados por mais de quatro anos. Segundo levantamento do Footstats, desde 2015 o jogador atuou em 100 jogos, cerca de 16 partidas por temporada. Esteve em campo em apenas 25% dos jogos do Cruzeiro. Outro dado chama a atenção para o peso de sua ausência: com Dedé em campo, o time sofreu em média 0,75 gols por jogo; sem ele, 0,98 por jogo.

No total, Dedé tem 383 jogos e 40 gols como profissional, contando 11 jogos e um gol com a camisa da Seleção Brasileira. A temporada de 2018 foi a última em altíssimo nível do zagueiro. Esteve entre os líderes em finalização do time na Libertadores da América e chegou à final da Copa do Brasil sem cometer nenhuma falta em seis jogos. Foi convocado para a lista de suplentes do Brasil na Copa do Mundo da Rússia e voltou a defender a seleção em amistosos após o mundial.

Entre as principais características do zagueiro de 1,92m estão a velocidade, poder de antecipação e desarme, além de uma incrível capacidade de dominar o jogo aéreo na defesa e no ataque. O jogador também apresenta um ótimo controle do passe sob pressão e bom aproveitamento nos lançamentos, característica que vai ao encontro do futebol objetivo e direto que Enderson Moreira implementou no Glorioso.

Se os problemas físicos são o grande ponto de interrogação na hora de avaliar a contratação, a temporada de 2021 do Botafogo mostrou um bom exemplo de recuperação individual. Joel Carli retornou ao clube depois de um longo período de inatividade no Aldovisi. No clube argentino, sofreu com lesões e atuou em apenas dois jogos, sendo substituído em ambos. Sua volta foi motivada por um acordo financeiro e pela sua influência no vestiário, mas, depois de um ano e seis meses sem atuar em um jogo completo, voltou a jogar e provou em campo sua utilidade para a equipe.

Os problemas físicos que Dedé enfrentou na carreira foram mais graves, contudo, com o clube protegido por um contrato curto e baseado em produtividade, a aposta no talento do jogador pode render bons frutos em 2022. Com o crescente interesse de outros times no futebol de Kanu, o Botafogo vai precisar de uma boa reposição para a linha defensiva. O nome de Dedé surge como boa opção para, em princípio, compor o elenco até se provar fisicamente confiável. Para jogar ao lado de Carli, o zagueiro também precisaria se adaptar para jogar pelo lado esquerdo da zaga, por onde atuou poucas vezes na carreira.

Fonte: Redação FogãoNET

Notícias relacionadas