Análise: Enderson tenta mudar, Botafogo leva pressão do Cruzeiro e Diego Loureiro salva

22 comentários

Blog da Redação

Blog da Redação

Compartilhe

Análise Cruzeiro x Botafogo

Que pressão! O Cruzeiro foi com tudo para tentar vencer, mas parou em Diego Loureiro e o jogo não passou de um 0 a 0. O Botafogo viu o adversário finalizar 25 vezes e não conseguiu mudar o cenário. A campanha sem brilho fora de casa também teve sequência, com 15 pontos em 15 jogos. O Glorioso perdeu a chance de subir para o topo da tabela e se manteve em segundo lugar, com 52 pontos ganhos.

Enderson Moreira decidiu mexer pouco no time para enfrentar um Cruzeiro empolgado por duas vitórias consecutivas. Os laterais Jonathan Lemos e Jonathan Silva foram mantidos entre os titulares. O Lemos fez bom jogo contra o CRB, mas o Silva continua devendo uma boa atuação. No meio-campo, Pedro Castro voltou a formar a dupla de volantes com Barreto. Destaque no último jogo, Warley ganhou de vez a posição e foi mantido na equipe. Mas outro retorno foi bastante contestado. O goleiro Diego Loureiro, criticado por uma série de erros que custaram pontos importantes para o time, voltou ao time titular. Douglas Borges, que jogou na última sexta-feira e não precisou fazer qualquer defesa, sentou no banco de reservas novamente.

Os números mostram equilíbrio entre os dois goleiros, com vantagem para Diego Loureiro. O goleiro formado na base alvinegra foi titular em 19 jogos na Série B, sofreu 16 gols, passou dez jogos sem ser vazado e tem média de 2,2 defesas por jogo. Com a bola nos pés, 58% de acerto nos passes. Douglas Borges tem dez jogos como titular e 11 gols sofridos. Em quatro jogos não sofreu gols e registrou a média de 2,1 defesas por jogo. Com a bola, 62% de acerto nos passes. Diego ganhou a vaga justamente no jogo contra o Cruzeiro do primeiro turno. Dos 16 gols que sofreu, sete foram nos três jogos anteriores à chegada de Enderson. Depois disso, jogou mais protegido pela organização defensiva implantada pelo treinador. Hoje, entre Diego e Douglas, o torcedor anseia pela volta de Gatito.

Análise Cruzeiro x Botafogo

O Cruzeiro começou melhor o jogo, apoiado pela torcida e forçando muito os ataques em cima de Jonathan Silva no lado esquerdo. Aos quatro minutos, Bruno José teve boa chance de marcar e cabeceou em cima de Diego Loureiro. Aos 19, outra chance e grande defesa do goleiro. O Botafogo teve dificuldade para encaixar a marcação, fazer a cobertura das subidas do lateral e sofreu com a velocidade do adversário. Aos 20 minutos, os mineiros já tinham finalizado sete vezes, enquanto o Alvinegro ainda não tinha incomodado o goleiro Fábio. A posse de bola ficou equilibrada, mas o Glorioso errou muitos passes forçados pela forte pressão na bola que a marcação dos mineiros exerceu.

O Cruzeiro também aplicou uma estratégia recorrente dos adversários que tem sido bem sucedida para travar o jogo alvinegro: as faltas. Nos recentes insucessos do Botafogo, CSA e Avaí fizeram 23 faltas, o Vitória fez 26. O objetivo é parar o jogo e frear as jogadas diretas e verticais, forçando o jogo posicional em que o time do Enderson tem muita dificuldade para criar. Na primeira meia hora de jogo, o time mineiro fez seis faltas para interromper a partida.

Análise Cruzeiro x Botafogo

O número de passes trocados pelos jogadores de ataque do Glorioso no primeiro tempo ilustra os problemas ofensivos do time. Warley acertou oito passes, Chay cinco e Marco Antônio apenas três. Sem esses jogadores se encontrarem em campo, o Botafogo não existiu no ataque. Com o time espaçado e sem jogo apoiado, Chay segurou demais a bola e não jogou bem. Terminou a primeira etapa com 26 toques na bola e 11 perdas de posse, além de ter vencido apenas dois dos dez duelos em que esteve envolvido. Outro destaque negativo foi Jonathan Silva, mais uma vez. O lateral até buscou espaços no ataque, mas não conseguiu se colocar em posição de ser acionado. Pelo contrário, as subidas só serviram para deixar espaço na defesa que foi explorado pelo Cruzeiro.

O Botafogo terminou o primeiro tempo sem finalizar nenhuma vez no gol de Fábio. O Cruzeiro chutou 12 vezes. O time precisava de mudanças no intervalo para conseguir entrar e disputar o jogo. A solução encontrada por Enderson Moreira foi trocar Marco Antônio por Diego Gonçalves, mexida que não mudou a estrutura da equipe. Ainda assim, o Glorioso foi diferente no segundo tempo. Nos primeiros dez minutos, o time conseguiu três escanteios e uma cabeçada muito perigosa de Navarro, que exigiu excelente defesa. Aos 12, por muito pouco o centroavante não completou uma jogada de Diego Gonçalves para o gol.

A mudança do Botafogo no segundo tempo passou pela mudança de postura, adiantando a marcação, aumentando a pressão sobre o portador da bola e aproximando os jogadores para trocas rápidas de passes. Passou também pela queda de intensidade do Cruzeiro, incapaz de manter o ritmo forte do começo. O time celeste passou a levar mais perigo nos contra-ataques, enquanto o Glorioso mantinha cerca de 60% da posse na segunda etapa.

Análise Cruzeiro x Botafogo

Depois do bom começo do Alvinegro, o Cruzeiro retomou o controle do jogo e voltou a ser muito perigoso. Sem interesse no empate, o time mineiro se lançou ao ataque. Diego Loureiro foi quem garantiu com boas defesas o resultado para o Glorioso, quando o time da casa voltou a enfileirar chances de gol. Jonathan Silva não conseguiu melhorar seu desempenho e saiu para a entrada de Carlinhos. Chay teve uma leve melhora na segunda etapa, ainda longe do melhor que já apresentou, mas cansou e deu lugar a Luiz Henrique.

Além da diferença na quantidade de finalizações, outro dado chamou a atenção para entender o que foi o jogo. O Cruzeiro registrou incríveis 33 desarmes contra 17 do Botafogo. Durante poucos instantes, o Glorioso conseguiu jogar na mesma voltagem que o adversário. O empate, por fim, foi um resultado bom diante do que o Botafogo apresentou em campo. O desempenho voltou a decepcionar, mas vale destacar que, mesmo durante essa queda no nível de atuação, o time não deixa de pontuar. O ponto conquistado não levou a equipe para o topo da tabela, porém é mais um degrau na subida em direção à Série A

Análise Cruzeiro x Botafogo

Agora, o Botafogo terá oito dias para descansar e preparar a equipe para a reta final do campeonato. O time vai voltar a campo no dia 20, quarta-feira, às 20h30, contra o Brusque no Nilton Santos. Com 32 pontos, o time catarinense é o 16º colocado e luta contra o rebaixamento para a Série C.

Números do jogo: (Sofascore)

Posse de bola – BOT 46% x 54% CRU
Passes certos – BOT 186 (67%) x 235 (74%) CRU
Cruzamentos – BOT 5/13 (38%) x 15/29 (52%) CRU
Bolas longas – BOT 20/58 (34%) X 32/61 (52%) CRU
Dribles – BOT 3/23 (13%) x 7/12 (58%) CRU
Finalizações – BOT 3 (1 no gol) x 25 (6) CRU
Finalizações dentro da área – BOT 2 X 15 CRU
Chances claras – BOT 0 x 1 CRU
Disputas de bola vencidas – BOT 51 x 85 CRU
Disputas aéreas vencidas – BOT 19 x 31 CRU
Desarmes – BOT 17 X 33 CRU
Cortes – BOT 18 x 16 CRU
Interceptações – BOT 11 x 10 CRU
Faltas – BOT 17 x 14 CRU

Fonte: Redação FogãoNET

Notícias relacionadas