Análise: em forte atuação coletiva, Botafogo marca cedo e domina totalmente o América-MG

11 comentários

Blog da Redação

Blog da Redação

Compartilhe

Análise: em forte atuação coletiva, Botafogo marca cedo e domina totalmente o América-MG
Vitor Silva/Botafogo

No confronto do líder contra o vice-lanterna, o Botafogo fez seu dever de casa e se impôs no Nilton Santos. A vitória por 2 a 0 foi resultado de uma atuação de total controle alvinegro que limitou o América-MG a uma única finalização certa em todo o jogo. O gol marcado no começo da partida ajudou o time a desmantelar a estratégia reativa dos visitantes e ditar o ritmo do confronto. O Glorioso termina a oitava rodada do Brasileirão com cinco pontos de vantagem sobre o segundo colocado, o Palmeiras.

Com Tiquinho Soares suspenso e Matheus Nascimento na seleção sub-20, a maior dúvida na escalação do Botafogo estava no ataque. Luís Castro optou por adiantar Eduardo no comando de ataque e colocar Lucas Fernandes como homem de criação. Sem Gabriel Pires, Marlon Freitas foi mantido ao lado de Tchê Tchê no meio-campo. No lado esquerdo do ataque, Luis Henrique voltou ao time titular.

A ausência de Tiquinho representa não apenas a perda do artilheiro e referência do ataque alvinegro, mas também do líder de assistências do campeonato. Somando os gols e as assistências do centroavante, são nove participações diretas em gols em sete jogos disputados no Brasileirão (contra o Atlético-MG jogou apenas 19 minutos). E mais: Tiquinho marcou seis gols com um xG (índice que aponta a probabilidade de um finalização terminar em gol) de 4.96, ou seja, desperdiça poucas chances e transforma lances difíceis em bolas na rede.

Análise Botafogo x América-MG

O confronto contra um adversário recuado que oferece a posse de bola e espera o momento certo para sair em contra-ataques poderia causar algum desconforto ao Botafogo. Mas o Glorioso contornou essa situação em apenas dois minutos. Com paciência, troca de passes, movimentação e muita gente no campo de ataque, a bola circulou da esquerda até chegar em Di Placido no lado direito. O lateral aproveitou o corredor aberto pela infiltração de Júnior Santos, foi à linha de fundo e cruzou na cabeça do camisa 37 para abrir o placar no Nilton Santos.

Apesar do perfil físico diferente, Eduardo cumpriu uma função não muito distinta do artilheiro do campeonato. Para evitar receber de costas para a marcação, o “meia-centroavante” se movimentou muito no campo para receber em espaços livres. Eduardo também procurou soltar a bola rápido, com toques de primeira, para escapar da pressão dos marcadores e funcionar como um ponto de apoio para triangulações. A movimentação intensa confundiu a defesa mineira e abriu caminho para as infiltrações de Tchê Tchê, Lucas Fernandes, Júnior Santos e Luis Henrique.

O Botafogo teve absoluto controle das ações ofensivas no primeiro tempo, terminou com 59% da posse de bola, mas não conseguiu criar mais situações claras de gol. Das oito finalizações da equipe, cinco foram bloqueadas pela marcação. A melhor chance de ampliar a vantagem surgiu de uma jogada individual de Luis Henrique, aos 27 minutos, que terminou em uma finalização cruzada de Júnior Santos rente a trave direita do goleiro Mateus Pasinato. Aos 25, o América criou sua única jogada de perigo, exigindo defesa de Lucas Perri em lance posteriormente apontado como impedimento.

Além da boa atuação tática de Eduardo, outros jogadores mereceram destaque no primeiro tempo. Júnior Santos e Luis Henrique foram bem pelas beiradas do campo, incisivos no um contra um, aceleraram o jogo criando algumas das melhores jogadas de ataque do Glorioso. Em certa altura, por volta dos 30 minutos, Castro inverteu os pontas por alguns instantes. Di Placido também fez uma exibição nos primeiros 45 minutos tanto na defesa quanto no ataque. O lateral argentino terminou a primeira etapa com dois desarmes, uma interceptação e 100% de aproveitamento nas disputas de bola pelo chão, cruzamentos e lançamentos.

Análise Botafogo x América-MG

A exemplo do início do primeiro tempo, o Botafogo voltou com tudo após o intervalo. Em apenas 19 segundos, Júnior Santos arrancou e tocou para Eduardo que acertou o travessão. O jogo esquentou porque o América procurou atacar mais para tentar o empate. O experiente atacante Aloísio entrou e logo criou uma chance de perigo desperdiçada pelo jovem Breno. O Alvinegro finalizou quatro vezes nos primeiros dez minutos do segundo tempo e voltou a ameaçar com Lucas Fernandes, após lindo passe de Eduardo.

Rapidamente, o Botafogo voltou a ocupar o campo de ataque e impor o controle sobre o ritmo do jogo. O América adiantou as linhas de marcação de forma desordenada, sem executar uma pressão efetiva na bola, o que ofereceu muito espaço para o Glorioso atacar em transição rápida. Aos 14, Luis Henrique puniu a desorganização da defesa americana com um golaço. Adryelson arriscou um passe vertical, a bola passou por Eduardo e encontrou Luis Henrique atacando a última linha do adversário por dentro. O ponta dominou, driblou o goleiro e completou para o gol vazio.

Com uma vantagem condizente ao domínio alvinegro, Castro pode começar a fazer mudanças. Adryelson sentiu a coxa esquerda e foi substituído por Philipe Sampaio. Luis Henrique também deixou o campo para a entrada de Victor Sá. Além do golaço, o ponta terminou sua participação com cinco disputas de bola vencidas em sete oportunidade, cinco dribles certos em seis tentativas e cinco passes decisivos (passes para finalização).

O gol esfriou qualquer tentativa dos mineiros de voltarem ao jogo. O Botafogo finalizou mais e melhor no segundo tempo, mas não conseguiu marcar mais gols. O goleiro adversário, que não fez qualquer defesa no primeiro tempo (a única bola na direção do gol entrou), precisou trabalhar quatro vezes na etapa final. Já o América finalizou apenas quatro vezes no jogo inteiro e, mesmo com mais posse de bola no segundo tempo, teve muita dificuldade para encontrar brechas no sistema defensivo alvinegro, que se manteve intenso durante toda a partida.

Análise Botafogo x América-MG

O Botafogo vai encarar o Athletico Paranaense na próxima quarta-feira (31), às 21h30, pela partida decisiva das oitavas de final da Copa do Brasil. Depois de perder por 3 a 2 na Arena da Baixada, o Glorioso precisa vencer por dois gols para garantir a classificação. Uma vitória alvinegra pela vantagem mínima leva a decisão para os pênaltis. Não há gol qualificado como critério de desempate.

Números do jogo: (Sofascore)

Posse de bola – BOT 56% x 44% AME
Passes certos – BOT 400 (85%) x 297 (78%) AME
Finalizações – BOT 18 (6 no gol) x 4 (1) AME
Gols esperados (xG) – BOT 2.23 x 0.26 AME
Finalizações dentro da área – BOT 13 x 1 AME
Grandes chances de gol – BOT 5 x 1 AME
Grandes chances perdidas – BOT 3 x 1 AME
Defesas do goleiro – BOT 1 x 4 AME
Desarmes – BOT 12 x 16 AME
Interceptações – BOT 12 x 12 AME
Cortes – BOT 16 x 15 AME
Disputas de bola vencidas – BOT 49 x 54 AME
Disputas aéreas vencidas – BOT 8 x 23 AME
Cruzamentos – BOT 6/20 (30%) x 1/11 (9%) AME
Bolas longas – BOT 29/59 (49%) x 23/48 (48%) AME
Dribles – BOT 18/22 (82%) x 6/13 (46%) AME
Faltas – BOT 9 x 11 AME
Cartões amarelos – BOT 2 x 3 AME

Fonte: Redação FogãoNET

Notícias relacionadas