Usamos cookies para anúncios e para melhorar sua experiência. Ao continuar no site você concorda com a Política de Privacidade.

Análise: em jogo de muitos erros de passe, Chay resolve e Botafogo vence o Vitória

14 comentários

Blog da Redação

Blog da Redação

Compartilhe

Análise Botafogo x Vitória

Na noite fria de Volta Redonda, o Botafogo bateu o Vitória por 1 a 0 e voltou a vencer depois de três jogos. O gol do triunfo foi marcado por Chay em jogada de rara felicidade. O resultado levou o Glorioso ao sétimo lugar com 11 pontos e um jogo a menos que a maior parte dos adversários.

A sequência ruim de resultados fez Marcelo Chamusca promover duas mudanças no time titular. Daniel Borges ganhou sua primeira chance como titular na lateral direita. O jogador entrou como substituto em todos os seis jogos do Botafogo na Série B e mostrou pouco para justificar uma chance entre os 11. Tampouco Warley, titular da posição desde a lesão de Jonathan, inspira confiança depois de atuações discretas em que apareceu timidamente no ataque. A outra alteração foi a entrada de Diego Gonçalves no lugar de Marco Antônio. Com a mudança, Chay foi deslocado para a faixa central, a fim de jogar mais próximo de Navarro e ser menos exigido na fase defensiva.

A entrada de Diego Gonçalves tinha uma motivação clara: explorar o espaço às costas dos alas do time baiano. Se Ronald já cumpria o papel de buscar a linha de fundo pelo lado direito, o lado esquerdo não tinha um jogador com as mesmas características, pois Chay gosta de fazer a diagonal para o centro do campo. Contra um adversário com três zagueiros, Diego entrou para abrir o campo e desestabilizar a última linha de defesa.

Análise Botafogo x Vitória

O Vitória, 18º colocado no campeonato, é o time com a maior média de posse de bola (55.3%) e o terceiro que mais troca passes. Contudo, está entre os últimos em chances criadas e gols marcados, o que indica uma séria dificuldade criativa. O jogo contra uma equipe que gosta de ter a bola, mas não controla e pressiona pouco, encaixa bem com o estilo reativo de transições rápidas com o qual o Botafogo tem melhor desempenho. E bastou um minuto de jogo para surgir a primeira chance de gol. Rafael Navarro interceptou um passe errado, ganhou no um contra um e serviu bem para Ronald acertar o travessão. Mas o ímpeto ofensivo parou aí, pois o excesso de erros de passe travou o ataque alvinegro. Somente aos 28 minutos o time voltou a levar perigo depois de grande jogada individual de Chay.

Os dribles do camisa 14 foram o único fator de desequilíbrio do Glorioso na etapa inicial. Mais próximo do lado direito para jogar com Ronald, o atacante assumiu a responsabilidade de produzir jogadas individuais diante do acúmulo de passes errados do time. Além da boa jogada que resultou na finalização de Navarro, Chay acertou os três dribles que tentou e ganhou sete dos nove duelos contra os defensores. Nos minutos finais do primeiro tempo, o Botafogo conseguiu pequena melhora no aproveitamento de passes (76%) e terminou com 57% da posse. Guilherme Santos e Luís Oyama foram os destaques negativos com os piores desempenhos nos passes. A péssima condição do gramado, que recebeu um jogo do Fluminense horas antes da partida, pode ter contribuído para a quantidade alta de erros, mas falta de atenção e escolhas ruins de jogadas também.

Análise Botafogo x Vitória

Na defesa, o Botafogo foi pouco ameaçado pelo Vitória, que também errou muito. Os dois times sofreram com a falta de articulação e fizeram um jogo de poucos chutes na direção do gol. A primeira boa chance de gol do time baiano foi apenas aos 15 minutos do segundo tempo, depois de mais uma rebatida de Douglas Borges para o meio da área. Mesmo com a defesa bem postada e pouco exigida, chamou a atenção mais uma vez o número baixo de desarmes do sistema defensivo alvinegro. O Botafogo só teve mais desarmes que o adversário em dois de seus sete jogos na Série B.

Em um segundo tempo com a mesma cara do primeiro, somente uma individualidade poderia mudar o destino do jogo. E quem seria o responsável senão Chay? Aos 20 minutos, o atacante atacou o lado direito, nas costas do lateral adversário, e recebeu passe de Daniel Borges. Com apenas dois toques na bola para evitar a chegada do zagueiro, rapidamente dominou e chutou – ou cruzou? – na direção do gol. O goleiro Ronaldo esperava o cruzamento e não conseguiu chegar na bola. Se os pontas estavam com dificuldade de encontrar espaço para jogar, a inteligente movimentação de Chay atacou o espaço vazio e foi fundamental para o gol.

Análise Botafogo x Vitória

Depois do gol, o Botafogo não conseguiu pressionar para sacramentar o resultado, mas foi eficiente em ficar com a bola e limitar as ações ofensivas do Vitória. A entrada de Barreto para reforçar a marcação no meio-campo não culminou em um abafa do adversário, como em jogos anteriores. O resultado devolve a confiança à equipe que volta a rondar os primeiros lugares da tabela. Já o desempenho continuou aquém do esperado, com uma exibição coletiva fraca e um time refém de jogadas individuais e lances de sorte.

Análise Botafogo x Vitória

Buscando uma sequência de vitórias para se reaproximar do G4, o Botafogo vai ao Estádio da Ressacada enfrentar o Avaí no próximo sábado (3), às 21h.

Números do jogo:

Posse de bola – BOT 54% x 46% VIT
Passes certos – BOT 295 (76%) x 241 (71%) VIT
Cruzamentos – BOT 5/23 (22%) x 2/12 (17%) VIT
Bolas longas – BOT 23/57 (40%) X 30/64 (47%) VIT
Finalizações – BOT 12 (3 no gol) x 11 (1) VIT
Finalizações dentro da área – BOT 4 X 4 VIT
Chances claras – BOT 0 x 1 VIT
Desarmes – BOT 14 X 23 VIT
Faltas – BOT 24 x 24 VIT

Fonte: Redação FogãoNET

Notícias relacionadas
Comentários