É incrível como em pleno 2017 ainda vemos manifestações racistas. Quando é praticado por um dos nossos, fica ainda mais revoltante. Esse imbecil que estava vestindo a camisa do Botafogo e que fez manifestações racistas contra a família do atacante Vinicius Jr. no clássico desta quarta contra o Flamengo está preso. E tem que ficar lá, responder por isso e ser punido como manda a lei.

A torcida do Botafogo, bem como todas as torcidas, é bom dizer, abomina o racismo. Não há espaço para isso. Os torcedores do Flamengo, aqueles que são acéfalos, usaram o fato para generalizar. O que é ridículo. Por isso, é sempre bom lembrar que o Botafogo, ao lado de Bangu e do Vasco da Gama, segundo historiadores, é um dos pioneiros na luta contra o racismo no futebol, no início do século XX.

Paulino de Souza, do Botafogo: primeiro negro campeão cariocaPaulino de Souza, do Botafogo: primeiro negro campeão carioca

Em 1907, a Liga Metropolitana de Sports Athleticos comunicou que não aceitaria o registro, como atletas, de “pessoas de cor” (olha o termo!). Benemérito do Botafogo, Alfredo Chaves repudiou a medida em sessão da diretoria no dia 15 de maio. E o clube, por coerência, manteve em seu elenco o lateral-direito Paulino de Souza, que se tornou o primeiro negro campeão carioca, em 1906, no segundo time, e bicampeão em 1907.

Vale lembrar também que, em 2014, a torcida do Botafogo fez uma série de homenagens ao goleiro Aranha, então no Santos, após ele ter sofrido ofensas racistas da torcida do Grêmio em jogo pela Copa do Brasil – o Tricolor Gaúcho acabaria eliminado. Além disso, jogadores do Botafogo e do Santos, que se enfrentaram no Maracanã naquele jogo, entraram com uma faixa pedindo um basta ao racismo.

Torcida alvinegra fez homenagens à Aranha no jogo contra o Santos, em 2014

É importante ressaltar também que foram os próprios torcedores do Botafogo presentes no setor Leste Inferior que identificaram o racista às autoridades. Agora, é também lamentável que os outros torcedores ali xingassem a família do jogador do Flamengo. O que eles têm a ver com isso? Rivalidade tem limite, é preciso respeitar as pessoas. A família do jogador merece respeito. Respeitem para serem respeitados. É a regra básica!

Nossa torcida tem tantos ótimos exemplos, não deixemos que esse idiota manche a nossa história.

Saudações alvinegras!