Pitacos: convém ter calma nas análises coletivas e, sobretudo, individuais no Botafogo; todos ainda vão melhorar

55 comentários

Blog da Redação

Blog da Redação

Compartilhe

Pitacos: convém ter calma nas análises coletivas e, sobretudo, individuais no Botafogo; todos ainda vão melhorar
Vitor Silva/Botafogo

* Pode parecer “passar pano” e podemos ser criticados, mas faz parte. O tom deste texto é que ainda convém ter calma e é melhor evitar crucificar ou reclamar em excesso de determinado jogador na vitória do Botafogo por 2 a 1 sobre o Volta Redonda, na estreia do time principal no Campeonato Carioca-2023.

* O principal ponto é que todo jogador depende muito de sua parte física. Uns são privilegiados e parecem estar sempre prontos, tipo Marçal. Outros demoram mais a chegar ao seu nível máximo, e nove dias estão longe de ser suficiente.

* Por exemplo: claramente os melhores jogadores do Botafogo na primeira vitória pareciam estar em bom nível físico. Casos de Lucas Perri, Victor Cuesta, Marçal e Patrick de Paula. Outros ainda não estão 100%, como Tiquinho Soares. E é normal nesta etapa.

* O jogador mais criticado foi Philipe Sampaio, o que faz sentido porque a atuação realmente não foi boa. Mas é preciso levar em conta que é um atleta mais pesado e forte, que deve demorar mais a pegar ritmo, e que o time ficou exposto em diversos momentos. “Ah, vocês estão defendendo que ele seja titular?”. Não, o dono da posição é Adryelson, mas Sampaio não pode ser crucificado apenas por este jogo. Não é hora de queimar ninguém.

* O mesmo vale para Rafael. Não temos as informações internas para saber ele ficou no banco por questões técnicas ou físicas. Quando entrou, de fato não foi tão bem. Só que é preciso dar um tempo maior para análises e para evolução. Outros também ainda vão evoluir, como Marlon Freitas e Tchê Tchê. Já Gustavo Sauer e Victor Sá parecem precisar de mais ritmo de jogo e senso fino com a bola, o que também vai melhorando de acordo com a confiança.

* E como avaliar o time de Luís Castro? Da mesma forma, é preciso ter calma. No futebol, costuma-se falar que quando um jogador não está bem, os outros dez seguram as pontas. Quando dois não estão bem, os outros nove seguram as pontas. Vai ficando cada vez mais difícil. Contra o Volta Redonda, quatro seguraram as pontas (Lucas Perri, Victor Cuesta, Marçal e Patrick de Paula), outros times atuação mediana e outros foram mal. O que é normal em início de temporada. A equipe vai evoluir.

* Além disso, vale lembrar que havia desfalques de jogadores que terminaram a temporada como titulares, como Gatito Fernández (quase até o fim do ano, até se lesionar), Adryelson, Gabriel Pires, Lucas Fernandes, Eduardo e Jeffinho. Baixas consideráveis.

* Quer dizer então que está tudo certo? Também não. O time precisa de reforços em diversas posições, sejam titulares ou reservas, para continuar subindo o nível e ter condições de disputar títulos. Mas há uma base e o momento de fazer avaliações é exatamente este, o início do Campeonato Carioca, que mais tem cara de pré-temporada do que de jogos oficiais.

Fonte: Redação FogãoNET

Notícias relacionadas