Botafogo está precisando de Patrick de Paula! Agora vai? 

50 comentários

Blog do Gentile

Blog do Gentile

Compartilhe

Patrick de Paula no treino do Botafogo em outubro de 2022
Vítor Silva/Botafogo

O Botafogo terá praticamente uma decisão contra o Fluminense neste domingo, no Maracanã. Se não vencer o rival, a vaga na Libertadores ficará praticamente impossível de ser conquistada neste Campeonato Brasileiro. Para complicar ainda mais a situação, o técnico Luís Castro não poderá contar com Tchê Tchê, suspenso, e Lucas Fernandes, lesionado. Nesta sexta, Danilo Barbosa, que seria titular absoluto, também ficou de fora do treinamento.

Diante de todo esse cenário, uma coisa fica cristalina: o Botafogo está precisando de Patrick de Paula. Sem praticamente todos os jogadores da posição, o volante precisa ir a campo. Seja como titular ou como opção no banco de reservas. Será que a maior contratação do clube finalmente deixará a geladeira e voltará a jogar futebol após quase três meses?

Quem me acompanha nas lives sabe que defendo a necessidade de Patrick entrar em campo nesta reta final de Campeonato Brasileiro. Mesmo com Danilo Barbosa disponível (se confirmar como desfalque, então). Sabemos de todas as situações que envolvem o ex-jogador do Palmeiras, mas é preciso um ‘teste final’.

Recentemente, em participação no SporTV, Luís Castro comentou a situação de Patrick. Fez elogios e projetou um plano de carreira para o atleta. Mais que isso. Disse que os torcedores poderiam ter surpresas sobre esse assunto ainda esse ano. Será que chegou o momento?

– Patrick ao longo do ano teve vários problemas, recentemente uma paralisia facial, que provocou alguma incapacidade ao longo do tempo, teve problema muscular, foi se limitando. É um jogador com grande potencial, que encontrará seu equilíbrio e certamente ainda a serviço do Botafogo. O clube ainda terá muito partido do investimento que fez. Quando há um investimento, temos que fazer um plano esportivo para o jogador, visto que a época não ocorreu da melhor forma para ele. Ainda falta um mês, ainda podem acontecer coisas boas. Mas é traçar plano e ele ter sorte de largar as lesões, ter continuidade em seu trabalho diário – revelou Luís Castro.

Notícias relacionadas