Pautas midiáticas, poucas idas ao Rio em três meses e ‘visitas’ com provas: a reta final de Jorge Braga no Botafogo

75 comentários

Blog do Gentile

Blog do Gentile

Compartilhe

Jorge Braga nos últimos dias como CEO do Botafogo no Estádio Nilton Santos
Reprodução/Instagram (@jbraga360)

A saída do CEO Jorge Braga agitou os bastidores do Botafogo. O dirigente usou suas redes sociais nesta sexta-feira (9/9) para justificar sua atitude horas depois de “O Globo” revelar que ele não rompeu apenas o contrato como também acionou o Alvinegro e John Textor na Justiça. Era notório que o clima estava pesado e bem distante de como o próprio tratou em seu Instagram.

O blog do FogãoNET apurou e confirmou que, de fato, a situação era bem diferente. A relação não era nada boa entre Braga e seus companheiros de clube.

Braga participou apenas de uma reunião geral (e presencial) com equipe desde que assumiu. Não definiu metas, prazos, orçamento, apenas tinha obsessão por temas midiáticos: como lotação do Estádio Nilton Santos nos primeiros jogos de SAF, crescimento do programa de sócio-torcedor e Libra.

Jorge Braga morava em São Paulo e nos últimos três meses foi pouquíssimas vezes ao Botafogo. Isso criou um problema corporativo muito grande e uma crise pelo fato de se precisar de uma liderança ativa na transição.

Pegou muito mal quando apareceu no estádio de repente e fez um “stories” apenas para coletar provas de que cumpria expediente.

Após meses sem aparecer no Lonier, Jorge Braga fez uma visita constrangedora na última semana. Apareceu sorridente e sem assunto, apenas para registrar que estava trabalhando. E esta foi a segunda visita desde a SAF, sendo que a primeira foi na reabertura da janela para a imprensa, apenas para “mostrar presença”.

Jorge Braga não soube lidar com o fato de dividir poder com Thairo Arruda, que é uma pessoa de confiança de John Textor e que tem apresentado resultados importantes nesses tempos de SAF.

Desde que virou SAF, conta-se nos bastidores, que a maior preocupação de Braga foi obter a porcentagem na transação da venda. Essa situação deixou o ambiente pesado, até, aos poucos, o CEO perder funções.

Jorge Braga foi procurado pela reportagem, mas não respondeu a chamada até a publicação da matéria. O espaço segue aberto para o agora ex-CEO do Botafogo.

Fonte: Redação FogãoNET

Notícias relacionadas