Aproveitei alguns dias de férias para me manter longe do noticiário esportivo, que tem dado pouco prazer nos últimos meses. Afinal de contas, para alguns colegas o futebol brasileiro começou a existir quando Jorge Jesus desembarcou no país. O clima de euforia estava insuportável. Então, por isso, me limitei a acompanhar as notícias do Botafogo. Mas confesso que mesmo assim ficou complicado devido a má vontade da mídia com o Botafogo.

Acompanhei a um determinado programa na noite de domingo, após a vitória no clássico contra o Vasco, e fui dormir com o nível de ódio no alto. Uma das comentaristas, a única mulher da mesa, lá pelas tantas diz que o Botafogo de 2020 é uma continuidade do Botafogo de 2019. Como assim? Eu mesmo escrevi neste espaço em janeiro que o elenco era uma incógnita, mas basta analisar os primeiros jogos com o time considerado principal para se perceber algumas diferenças. O Botafogo atual não é uma maravilha, mas vamos com calma nas críticas.

Mesmo assim segui assistindo para manter o nível de ódio em alta. Aí vem a segunda pérola: “Para as expectativas criadas em torno do ano, por conta do projeto empresa, até aqui existe um sentimento de frustração”. Essa frase eu acho que não existe a necessidade de me alongar. O torcedor tira as suas próprias conclusões.

Banner da loja do FogãoNET para faixa japonesa

A má vontade da mídia com o Botafogo chega ao ponto de minimizar Honda

Por fim se faz uma análise sobre os reforços como Gabriel “Loco” Cortez e Honda. O sentimento no programa era de que que eles não mudam muita coisa, que não se deve gerar grandes expectativas, etc. Fico imaginando a empolgação se o Honda tivesse acertado com alguns clubes cujo a boa vontade se faz sentir na imprensa de um modo geral.

Se não bastasse as análises, ainda percebo em alguns veículos uma certa empolgação com a possibilidade de o projeto do Botafogo virar empresa fracassar.

Lamento muito que alguns veículos, muitos deles responsáveis diretos pelo fracasso do produto futebol brasileiro, uma vez que criaram uma espanholização que nem a Espanha gosta, ainda tratarem um clube como o Botafogo da forma como vem tratando. Em uma semana que deveria ser de apoio ao clube pelos esforços, pela força de se trazer um jogador do porte do Honda, as críticas são muito maiores. Lamentável!

Fonte: Redação FogãoNET