O jogo contra o Volta Redonda neste sábado de Carnaval é muito importante para o Botafogo. O time, após um desempenho muito ruim na Taça Guanabara, precisa, pelo menos, ser semifinalista na Taça Rio. Mas o desafio maior contra o Voltaço é manter o poder de concentração após o time enfrentar muitos jogos com caráter decisivo.

Foram duas partidas desgastantes contra o Defensa Y Justicia. No Rio de Janeiro o temporal e o gol no último lance, anotado por Erik, fizeram do choque com os argentinos especial. Os 3 a 0 na volta, na Argentina, escondem as dificuldades do confronto e o suor que precisou ser deixado em campo para que a fantástica vitória fosse conquistada e, de quebra, a vaga na segunda fase da Copa Sul-Americana.

A Copa do Brasil, neste novo formato em que as duas primeiras fases são em jogo único, passou a exigir muito dos times de expressão. Eles entram em campo pressionados por não poderem estar em uma noite ruim. Com o fantasma da Aparecidense presente, os duelos contra Campinense e Cuiabá também ganharam caráter de final e o Fogão foi muito bem.

Agora, como retornar para o Raulino de Oliveira…

Até na Taça Rio a primeira rodada foi empolgante por se tratar de um clássico. Mas agora o Botafogo tem um jogo tipo normal. Daqueles comuns de começo de temporada e justamente por isso que os jogadores vão precisar encontrar esta motivação.

Ganhar dos times de menor investimento nesta Taça Rio é uma obrigação para o Botafogo por conta da Taça Guanabara ruim. Que os jogadores encarem esses jogos com a mesma seriedade. O torcedor agradece…

LEIA TAMBÉM:

Botafogo mostra poder de decisão contra o Cuiabá
Qual Diego Souza o Botafogo vai contratar?
Botafogo dá demonstração de força na Argentina
Botafogo tem vitória da tranquilidade
O problema de Rafael Moura no Botafogo não é o passado
Mercado da bola me faz lembrar tempos de Emil no Botafogo
Moreira Salles no Botafogo: clube já viveu épocas douradas
Irmãos Moreira Salles em General: Esse é o Botafogo que eu conheço
Botafogo precisa de um nome de peso para o ataque
Novo modelo de gestão é para ontem
Botafogo deixa erros na formação do elenco evidentes