Usamos cookies para anúncios e para melhorar sua experiência. Ao continuar no site você concorda com a Política de Privacidade.

Jogos

Série B

13/06/21 às 16:00 - Raulino de Oliveira

Escudo Botafogo
BOT

X

Escudo Remo
REM

Série B

05/06/21 às 21:00 - Nilton Santos

Escudo Botafogo
BOT

2

X

0

Escudo Coritiba
CTB

Série B

28/05/21 às 21:30 - OBA

Escudo Vila Nova
VLN

1

X

1

Escudo Botafogo
BOT

Cascardo pode ter custado R$ 328 mil por jogo. Mais uma piada da gestão Nelson Mufarrej

69 comentários

Blog do Mansell

Blog do Mansell

Compartilhe

Cascardo pode ter custado R$ 328 mil por jogo. Mais uma piada da gestão Nelson Mufarrej
Vítor Silva/Botafogo

O jornalista Wellington Arruda nos traz a informação em seu canal que o Botafogo economizou R$ 125 mil mensais com a dispensa dos laterais Gustavo Cascardo e Kevin e do volante Luiz Otávio. Os salários não são fora da realidade do futebol brasileiro. Mas pelo que vimos em campo representam mais uma piada da gestão de Nelson Mufarrej.

Se formos fazer uma conta simples, mas que não pode ser levada ao pé da letra porque não significa que todos ganhavam o mesmo valor, a média salarial do trio ficaria um pouco acima de R$ 41 mil por mês.

O Botafogo anunciou Gustavo Cascardo no fim de setembro e seu contrato durou até segunda-feira. Estamos falando de oito meses de contrato. Ele custando ao clube algo em torno de R$ 41 mil por mês, seu custo total foi de algo em torno de R$ 328 mil.

Carcardo custou R$ 328 mil por jogo?

Kevin é outro que não agradou no Botafogo (Foto: Vitor Silva/Botafogo)

Gustavo Cascardo jogou apenas uma vez, contra o Santos. Assim podemos dizer que o Botafogo pagou algo em torno de R$ 328 mil a um jogador para treinar oito meses e jogar uma única partida.

Se ele recebia menos de R$ 41 mil por mês, significa que alguém dos outros dois atletas ganhava mais do que esse valor. Algo não menos absurdo.

Gustavo Cascardo não tem culpa. Nem Kelvin e muito menos Luiz Otávio. O culpado nós conhecemos, pois a culpa é sempre de quem dá a palavra final. No caso, o presidente do período. No caso, Nelson Mufarrej. Mas se ele já falava pouco no cargo, imagina se vai dar explicações agora.

Notícias relacionadas
Comentários