De olho no rival do Botafogo

Carlos Eduardo Sangenetto

O torcedor do Botafogo que acompanhou Estudiantes 0 x 2 Barcelona de Guayaquil nesta terça-feira viu um jogo de baixo nível técnico em La Plata. Equipes mornas, sem criatividade e com poucas opções ofensivas. Mas há o que destacar, principalmente na equipe equatoriana, agora líder do Grupo 1 da Libertadores, com seis pontos.

Verón fez sua reestreia pelo Estudiantes na derrota por 2 a 0 contra o Barcelona de Guayaquil em La PlataVerón reestreou com derrota aos 42 anos de idade (Foto: Reprodução/Instagram)

A partida começou com o Barcelona aceitando o fator casa do time argentino, que contava com o retorno de Verón, de 42 anos, aos gramados. O primeiro tempo foi sonolento, poucas oportunidades de gol criadas para os dois lados e um empatezinho interessante para o Botafogo era ensaiado. Mas não foi o que veio a acontecer na etapa final.

O Estudiantes, surpreendentemente inoperante no ataque, jogava muitas vezes em função de Verón (substituído cansado aos 13 minutos do 2º tempo) e permitiu que o Barcelona gostasse do jogo. E o jogo do atual campeão equatoriano não é difícil de ser lido. Os caras possuem, do meio para frente, verdadeiras flechas abertas para cortarem rapidamente a defesa rival nas duas pontas.

Erick Castillo, Tito Valencia e Ariel Nahuelpán no ataque do Barcelona de Guayaquil contra o EstudiantesSegundo gol do Barcelona de Guayaquil, que liquidou o Estudiantes, envolveu a principal arma da equipe: a velocidade (Foto: Reprodução/Fox Sports)

Vamos citar nomes. As tais flechas ofensivas do Barça são Marcos Caicedo, Erick Castillo e Esterilla, que parecem apenas esperar as chances para morder um contra-ataque, pelo menos foi essa a postura na Argentina. Além da velocidade do trio na frente, dois jogadores dão suporte e compoem a trama: os atacantes Tito Valencia, que tem grande vigor físico e jogou improvisado na lateral direita, e Ariel Nahuelpán, ex-Coritiba, que apesar de ter aparecido pouco ontem, não deixa de ser uma presença de área para empurrar a bola para a rede. Valencia e Ariel participaram ativamente do segundo gol. O primeiro foi marcado pelo zagueiro Jefferson Mena após falha do goleiro Andújar (VEJA OS GOLS AQUI!).

Jogadores do Barcelona de Guayaquil comemoram vitória sobre o Estudiantes na LibertadoresJogadores do Barcelona abraçam Ariel e comemoram a vitória em La Plata (Foto: Reprodução/Instagram)

Resumindo, mesmo largando com vitória no grupo, assim como o Botafogo, o Barcelona não temeu o Estudiantes. Não se fechou fora de casa com volantes, improvisou um ponta na lateral, respeitou o rival no começo da partida, mostrou suas garras no segundo tempo e disparou com seis pontos.

O Fogão também precisa acreditar no resultado como visitante para ter uma vida tranquila nas rodadas finais. Medellín e Guayaquil estão aí para isso.

É possível.

Saudações alvinegras!